Melo e Kubot retomam parceria

A vitoriosa parceria de Marcelo Melo e Lukasz Kubot será retomada. Após a quebra do time no fim da temporada de 2020, o mineiro e o polonês seguiram caminhos opostos e tentaram despontar com seus novos parceiros. Os resultados, porém, não vieram, e os tenistas decidiram que o retorno seria melhor, voltando a reunir uma das duplas mais vitoriosas da última década.

Foto: Clive Brunskill/Getty Images Europe

“Acho que vai ser um retorno muito legal. Independentemente do encerramento da dupla no ano passado, eu e o Lukasz mantivemos uma boa relação de amizade pelo que fizemos juntos. Será uma energia muito boa, renovada, entre a gente. Nós dois enxergamos essa volta com bons olhos e com boa energia para tentar resgatar o que já fizemos. Nosso plano é jogar Roland Garros, Halle e Wimbledon, por enquanto, para então tomar decisões futuras”, disse o mineiro.

Lukasz Kubot foi a parceria mais bem-sucedida da carreira de Marcelo Melo. Com 166 vitórias conquistadas, a dupla foi campeã em 15 torneios, com destaque para os títulos em Wimbledon e os Masters 1000 de Miami, Madri, Paris e Xangai, além de mais sete ATP 500. Juntos, Melo e Kubot chegaram ao topo do ranking de duplas, tanto de times, terminando 2017 como a melhor dupla da temporada, quanto no individual. O time também disputou o ATP Finals em todos os anos de parceria.

Demoliner vence duelo contra Soares e avança em Roma; Melo se despede

Nesta última segunda-feira, os brasileiros Marcelo Demoliner e Bruno Soares se enfrentaram na estreia do Masters 1000 de Roma. Ao lado do russo Daniil Medvedev, o gaúcho levou a melhor e superou o seu compatriota e Jamie Murray em 3/6, 7/6 e 10-4, avançando às oitavas de final. Lá, Demoliner e Medvedev aguardam os vencedores do duelo entre Mannarino/Paire e Sonego/Vavassori.

Este foi apenas o segundo torneio de Bruno e Murray no saibro europeu, com o mineiro retornando recentemente de uma lesão nas costas. A dupla continuará os seus treinos até Roland Garros, o segundo Grand Slam do ano. Atual vice-campeão do torneio, Soares vai em busca de um título inédito em sua carreira e de um terceiro Slam com Jamie.

Já nesta terça-feira foi a vez de Marcelo Melo entrar em quadra. Em busca de um novo parceiro, o mineiro esteve ao lado do croata Marin Cilic em Roma, voltando a jogar ao lado do campeão do US Open em 2014 após oito anos. A dupla foi superada pelo alemão Kevin Krawietz e o romeno Horia Tecau em 6/4 e 6/2, encerrando a campanha na Itália. Melo voltará em ação em Roland Garros com um novo parceiro a definir.

Brasileiros encerram campanha nas oitavas de Madri

As duplas de Marcelo Demoliner e Marcelo Melo foram superadas nesta quarta-feira, parando nas oitavas de final do Masters 1000 de Madri, na Espanha. Primeiros em quadra, o gaúcho e o russo Daniil Medvedev caíram para a dupla do holandês Wesley Koolhof e do polonês Lukasz Kubot em 7/5, 6/7 e 10-3. Também ao lado de Medvedev, Demoliner disputará o Masters 1000 de Roma, na Itália, na semana que vem.

Logo após foi a vez de Marcelo Melo e o holandês Jean-Julien Rojer. Disputando seu último torneio juntos, o time acabou sendo superado pelos alemães Tim Puetz e Alexander Zverev num duplo 6/4. Melo seguirá para Roma ao lado de Marin Cilic, com o qual já disputou torneios em outras cinco oportunidades. Semifinalistas nos Masters 1000 de Paris e Xangai em 2012, o mineiro e o croata voltarão a jogar juntos após oito anos.

“Foi o último jogo da nossa parceria, após tentarmos de tudo, e infelizmente não deu para avançar aqui. Eles jogaram melhor. Li as estatísticas e acho que a decisão mesmo foi nos break points. As porcentagens de saque, de devolução e outras foram praticamente as mesmas. Só que eles aproveitaram melhor os break points e isso deu a vantagem para eles”, analisou Marcelo.

Melo/Rojer superam Murray/Soares e avançam em Madri

Em ritmo de despedida, Marcelo Melo e Jean-Julien Rojer estrearam com vitória na Espanha. O mineiro e o holandês, que disputam seu último torneio juntos no Masters 1000 de Madri, derrotaram Bruno Soares e Jamie Murray em sets diretos, com parciais de 6/3 e 6/4, para avançar às oitavas de final do torneio espanhol.

Foto: Clive Brunskill/Getty Images

“Hoje conseguimos jogar muito bem, já vínhamos bem nos treinos e conseguimos imprimir isso no nosso jogo. Jogamos bem em momentos importantes, salvamos um 0/40 e também um 15/40. Isso dá muita confiança, especialmente neste momento que estamos passando, de poucas vitórias. Poder jogar assim uma primeira rodada foi realmente muito bom para nós e espero poder continuar da mesma maneira para ir avançando no torneio”, disse o mineiro, contente com o desempenho apresentado.

Antes de Madri, a parceria de Melo e Rojer sofreu sete derrotas em oito jogos disputados, não resistindo após dois meses de circuito. O mineiro e o holandês seguirão caminhos distintos depois da disputa do Masters 1000 espanhol. Rojer entrou em ritmo de Jogos Olímpicos e continuará no circuito ao lado do compatriota Wesley Koolhof, enquanto Melo ainda está em busca de um novo parceiro.

Os próximos adversários da dupla serão definidos nesta terça-feira. Marcelo, campeão de Madri em 2017, e Rojer, que triunfou nas edições de 2016 e 2019, aguardam os vencedores do duelo entre a dupla alemã de Tim Puetz e Alexander Zverev contra o time do canadense Felix Auger-Aliassime e do polonês Hubert Hurkacz.

Demoliner também vence

O gaúcho Marcelo Demoliner também avançou no torneio espanhol. Ao lado do russo Daniil Medvedev, o brasileiro estreou com grande vitória em Madri, derrotando os britânicos Daniel Evans e Neal Skupski, vice-campeões dos Masters 1000 de Miami e Monte Carlo, em 6/3 e 7/6. A dupla aguarda os vencedores de Koolhof/Kubot e Tsitsipas/Tsitsipas.

Melo e Rojer terminam parceria

A parceria entre Marcelo Melo e Jean-Julien Rojer chegou ao fim. Iniciada em fevereiro, no ATP 500 de Roterdã, a dupla tentou engatar o ritmo, mas sofreu sete derrotas em oito jogos disputados e acabou sendo desfeita. Em buscar de um novo parceiro, Melo disputará o ATP 250 de Munique com Mischa Zverev, o Masters 1000 de Madri com Rojer e o Masters 1000 de Roma com Marin Cilic.

Com estilos de jogo diferentes de seus parceiros passados, Melo e Rojer tentaram se adaptar para fazer a parceria funcionar. Ambos rápidos e habilidosos na rede, o brasileiro e o holandês chegaram a testar suas devoluções nos dois lados da quadra durante os torneios que disputaram, mas não tiveram sucesso.

“Conversamos em Barcelona e chegamos a um acordo que seria melhor para cada um buscar um caminho novo. Tentamos de todas as formas fazer a dupla funcionar. Troquei de lado, o Jean-Julien trocou de lado. Jogamos no saibro, na quadra dura, na coberta. Buscamos de várias maneiras possíveis. Mas infelizmente a nossa parceria não casou”, disse Marcelo.

“Às vezes acontece. Por isso, a dupla também é muito difícil nesse aspecto. Tem de achar um parceiro ideal. Por mais que tenhamos semelhança em muita coisa, não deu. Então, seguimos adiante e vou pensar nessas próximas semanas nas opções, em quem seria esse parceiro ideal”, completou.

Melo/Rojer e Demoliner/Gonzalez caem na primeira rodada

As duplas de Marcelo Melo e Marcelo Demoliner caíram em suas estreias. Disputando o ATP 500 de Barcelona, Melo e seu parceiro, o holandês Jean-Julien Rojer, foram superados pelos australianos John Peers e Luke Saville em 6/1 e 6/4, se despedindo do torneio espanhol na última terça-feira. A parceria, que se iniciou no mês passado, sofreu sua sexta derrota consecutiva.

Já Demoliner e Santiago Gonzalez estavam disputando o ATP 250 de Belgrado, na Sérvia. Os australianos John Millman e John-Patrick Smith foram os algozes da dupla do brasileiro, que foi derrotada em 6/4 e 6/3. O gaúcho e o mexicano seguem para Portugal, onde competirão no ATP 250 de Estoril.

Duplas de Melo e Demoliner estão fora de Monte Carlo

Marcelo Melo e Marcelo Demoliner não tiveram sorte. Nesta terça-feira, as duplas dos brasileiros se despediram do Masters 1000 de Monte Carlo, em Mônaco, torneio que faz parte da gira europeia de saibro.

Melo e Jean-Julien Rojer tiveram a difícil missão de enfrentar o time do norte-americano Rajeev Ram e do britânico Joe Salisbury logo na estreia. Finalistas no Australian Open e semifinalistas em Miami, Ram e Salisbury viraram a partida e levaram em 4/6, 6/1 e 10-8, avançando às oitavas. Em busca de uma boa sequência para ajustar a parceria, Melo e Rojer agora disputam o ATP 500 de Barcelona, na Espanha, seguido do ATP 250 de Munique e dos Masters 1000 de Madri e Roma.

Já Demoliner não teve chance de entrar em quadra. O gaúcho foi retirado da chave após o russo Daniil Medvedev, sua dupla no torneio, ter sido testado positivo para o coronavírus. Demo voltará ao lado do seu parceiro fixo, o mexicano Santiago Gonzalez, no ATP 250 de Belgrado, disputado na semana que vem.

Soares retorna ao circuito em Madri

Bruno Soares precisou adiar a sua estreia na gira europeia de saibro. Com dores nas costas desde a disputa do Masters 1000 de Miami, o mineiro optou por preservar o corpo e desistiu de competir nos torneios de abril, planejando retornar ao circuito no mês que vem.

“Acabei sentindo uma lesão nas costas em Miami e ainda não me sinto 100%. O incômodo infelizmente continua e optei por voltar para o Brasil para me recuperar por completo, ao invés de partir para a gira europeia sem muitas certezas e com risco de piorar a situação. Vou usar esse tempo para recuperar o corpo, a mente e as energias para voltar com tudo”, disse o mineiro, lamentando a ausência.

Com isso, o atual número 5 do mundo não disputará o Masters 1000 de Monte Carlo e o ATP 500 de Barcelona. Bruno e Jamie foram semifinalistas na última edição do torneio monegasco e vice-campeões na Espanha, ambos disputados em 2019. Soares pretende retornar ao circuito na semana do Masters 1000 de Madri, depois seguindo para o Masters 1000 de Roma e terminando a turnê de saibro em Roland Garros.

Soares e Murray são superados em Miami

Bruno Soares e Jamie Murray se despediram de Miami. Neste domingo, a dupla deu adeus ao Masters 1000 da Flórida após serem superados pelos britânicos Daniel Evan e Neal Skupski em dois sets a um, com parciais de 5/7, 7/6(4) e 10-7, nas oitavas de final.

“Foi um jogo duro que escapou. Dominamos boa parte da partida, mas acabamos deixando escapar dois tie-breaks no final. A minha história em Miami volta a se repetir, é sempre esse tipo de jogo que a gente acaba perdendo aqui, paciência”, disse o mineiro, lamentando a derrota.

“Não voltarei para casa agora. Infelizmente a situação do Brasil está muito complicada, então vou ficar treinando por aqui em Miami até a semana de Monte Carlo. Temos que aguardar essa situação de liberação de entrada na Europa melhorar, porque quando saímos diretamente do Brasil são pouquíssimos os países em que podemos entrar. Então, pra não correr esse risco de ser barrado, vou permanecer aqui”, finalizou Bruno.

Agora a dupla parte para a gira de saibro europeia. Com início no dia 11 de abril, o Masters 1000 de Monte Carlo será o pontapé da dupla na Europa, que depois pretende seguir para o ATP 500 de Barcelona e os Masters 1000 de Madri e Roma, todos parte da preparação para Roland Garros. Bruno é o atual vice-campeão do Grand Slam francês, no qual disputou a final com o croata Mate Pavic, seu parceiro da última temporada.

Duplas de Soares e Demoliner avançam em Miami

Bruno Soares e Jamie Murray estrearam com vitória no Masters 1000 de Miami. Neste sábado, a dupla entrou em quadra para enfrentar o neozelandês Marcus Daniell e o austríaco Philipp Oswald, vencendo num duplo 6/4. Nas oitavas, Bruno e Jamie enfrentarão os britânicos Daniel Evans e Neal Skupski.

“Foi uma boa estreia aqui, jogamos super bem e firmes. Foi um bom jogo no geral, eles também jogaram bem e os games foram muito disputados. Apesar do placar ter sido em sets diretos, foi só uma quebra em cada set e os dois lados tiveram algumas oportunidades. Feliz que caiu pro nosso lado, ficamos firmes e devolvemos bem. Conseguimos pressionar os adversários, que estavam sacando bastante com o primeiro serviço. Botamos em prática toda a semana de treino aqui, muito feliz com a vitória e por seguirmos vivos no torneio”, disse o mineiro.

O brasileiro e atual número 4 do mundo vai em busca de um título inédito em Miami. Em sua 12ª participação no torneio, Bruno quer superar a semifinal conquistada na edição de 2015, o seu melhor resultado no Masters 1000 da Flórida. De seus 34 títulos de ATP, quatro são de torneios do mesmo nível, tendo levantado o troféu no Canadá (2013 e 2014), em Cincinnati (2018) e em Xangai (2019).

Demoliner e Gonzalez entram de alternates e também avançam

Marcelo Demoliner e Santiago Gonzalez tiveram sorte em Miami. Primeiros alternates na competição, o gaúcho e o mexicano esperaram no torneio até o fim e foram recompensados com uma vaga na chave do Masters 1000 após a desistência de Dimitrov/Nishikori. Pouco mais de uma hora após a confirmação da vaga, a dupla entrou em quadra e despachou os também especialistas em duplas Raven Klaasen e Ben McLachlan em 6/3 e 6/4, avançando às oitavas. Lá, Demo e Gonzalez enfrentarão os cabeças 7 Ram/Salisbury.