33 momentos de Marcelo Melo

  1. Quando ele não aguentava mais escutar ‘Ricardo Mello’
  2. Ou quando ele virou ator global
  3. Ou até mesmo quando ele virou eco. Marcelo celo elo elo elo…

    Acapulco 2015 !!

    A photo posted by Marcelo Melo (@marcelomelo83) on

  4. E aquela vez que ele virou outro animal
    CG_12dCUcAAo6P2
  5. Quando os Bryan tomaram um lob de devolução
    lob
  6. Quando a bolinha foi embolsada
    bola
  7. Quando ele arranja um jeito de deixar o match point espetacular com AQUELAS devoluções
  8. Quando a Billie Jean King flagrou ele dormindo
  9. Quando ele virou juiz de linha
    BsPYU4LIIAAUPkd
  10. Quando ele mostrou que é o Elton John nacional
  11. Quando ele casualmente conversou com Novak Djokovic, em mais um dia normal na vida de Marcelo Melo
  12. Quando ele tentou ganhar o coração de André Sá e foi rejeitado
  13. Quando ele dá uma daquelas entre as pernas

    Jogada de sorte, mais um ponto legal aqui no WTT. @phillyfreedoms #wtt @centauroesporte #issoeentrega #cbt

    A video posted by Marcelo Melo (@marcelomelo83) on

  14. E bem, isso sempre acontece
  15. Sempre MESMO
    copadavis
  16. Tipo, MUITO
    rg16
  17. Quando ele deu uma capotada básica em Auckland
  18. Quando ele precisou abaixar no discurso
  19. Quando ele virou ‘Marcelo, o Pensador’
    BbpNKZ6CMAA-1lj
  20. Quando ele abraçou o Ivan pra comemorar e não deu pé pro croata #pébalançando
    marcelomelo2013shanghairolexmastersdayxd7h41gn27mx
  21. Quando ele e o Kyrgios pagaram flexão no meio da partida

    What we can do @k1ngkyrg1os ???? We have to pay!!! #IPTL #SG_Slammers

    A video posted by Marcelo Melo (@marcelomelo83) on

  22. Quando a ATP pediu pra ele cantar uma música em inglês
  23. Quando ele mostrou todo o gingado

    Campeões da IPTL!!! Champions! SLAMMERS!!!! Vaaaaaaaaaamos

    A video posted by Marcelo Melo (@marcelomelo83) on

  24. Quando ele chegou desbancando todo mundo no WTT e levou o MVP na primeira temporada
    10576168_517304658370082_285173787_n
  25. Quando ele tinha o Blog do Girafa
  26. Quando ele ganhou o ponto com bola por fora da rede
  27. Quando ele finaliza a partida
    final
  28. Quando ele foi definido como ‘girafa com mãos de polvo’
    ezgif-4223956446
  29. Quando ele se vestiu de canguru
    ten_bellucci_melo_twitter_620x470
  30. Quando ele ficou fora do enquadramento da câmera por ser alto demais
    Untitled 2
  31. Quando ele deu todos os créditos pro Ivan
    ivanmelo
  32. Quando ele virou modelinho da ATP e seduziu a câmera
    dodigmelo
  33. Mas a melhor de todas continua sendo: quando ele ganhou Roland Garros.🙂
    rg18

Murray/Soares conquistam o título no US Open

Neste sábado, Bruno Soares e Jamie Murray conquistaram seu segundo título de Grand Slam do ano. Em partida contra os espanhois Pablo Carreño Busta e Guillermo Garcia-Lopez, o mineiro e o britânico venceram por 6/2 e 6/3 e tornaram-se os campeões do US Open, repetindo o feito do Australian Open.

brunosoares2016openday13nxhieociei8x

A final foi dominada por Soares e Murray, apesar do mineiro e do britânico terem começado com uma quebra atrás, logo no primeiro game. A diferença foi devolvida logo em seguida e o time tomou o controle da partida até o fim, com mais duas quebras no primeiro set e outra no segundo. O saque de Carreño Busta foi o mais ameaçado, sendo quebrado por três vezes durante o jogo.

Também campeões no Australian Open, Murray/Soares é o primeiro time a conquistar mais de um título de Grand Slam na temporada desde os irmãos Bryan no ano de 2013. Já Carreño Busta/Garcia-Lopez foi o primeiro time que não era cabeça de chave a chegar na final do US Open desde Hewitt/Mirnyi em 2000.

“É difícil imaginar um ano como esse, principalmente a gente que não tinha conquistado nenhum título juntos e estava começando a parceria. Ganhar dois Grand Slams é muito especial. Em função do trabalho que a gente vem fazendo e de toda a dedicação que a gente colocou, veio o resultado. A gente sabia que estava preparado para conquistar coisas grandes. Estamos colhendo os frutos”, declarou Soares após o título.

Com uma das chaves mais duras, o time foi exigido desde o início. “O ano mostrou que a quadra rápida é o nosso melhor piso e a preparação foi muito boa. Ter vindo mais de uma semana antes pra cá ajudou muito e a gente foi crescendo. Tivemos um primeiro jogo muito complicado, ganhamos 7/5 no terceiro e a gente cresceu muito. As quartas contra o André foi um jogo duríssimo e no mental também, enfrentando um grande amigo. A semi foi outro grande jogo e na final jogamos o nosso melhor tênis, executando tudo com perfeição e conseguimos levar o título”, descreveu o mineiro.

O título no US Open é o quinto Grand Slam que Soares conquista. Além deste e do Australian Open, o mineiro possui mais três títulos nas duplas mistas, sendo dois em Nova Iorque e um em Melbourne. “É difícil de acreditar. Quando você fala pra mim que eu ganhei cinco títulos de Grand Slam, é inacreditável. A gente sonha com esses torneios desde pequeno. Mas não sonhamos nem em ganhar. É tão grande, tão fora da realidade, que a gente sonha em primeiro participar. Depois o sonho vai ficando mais próximo, se tornando realidade, virando uma coisa palpável e hoje aqui estou eu, campeão de cinco Grand Slams. Só tenho que sorrir e agradecer. Sou um privilegiado de ter a oportunidade de conquistar isso tudo”, finalizou.

Murray/Soares vencem principais favoritos e estão na final do US Open

Bruno Soares e Jamie Murray estarão na final do US Open. Nesta quinta-feira, a dupla venceu os franceses e principais favoritos Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut em dois sets a um, com parciais de 7/5, 4/6 e 6/3

brunosoares2016openday3gewt4hue6mcx

Em um primeiro set dramático, os times seguiram confirmando seus saques, com os franceses salvando dois break points durante o set. Herbert, porém, após receber atendimento no quadril e no joelho, balançou no saque as grandes devoluções de Soares e Murray, sendo quebrado no 11º game. No game seguinte, Bruno confirmou o seu serviço para colocar a dupla na frente.

A segunda parcial, porém, viu o mineiro e o britânico desligados. “A gente perdeu um pouquinho da energia no final do segundo set, acabamos levando o break. Mas o importante é que conseguimos voltar firmes no terceiro”, disse Soares. A dupla se segurou bem no set, mas durante o décimo game, no serviço de Murray, o resultado não foi o esperado, com até mesmo uma dupla falta do britânico para dar a vitória da parcial para os franceses.

No terceiro, a dupla voltou focada em quadra. “Eles não deixam a gente respirar muito, tínhamos que ficar ligados pra botar a devolução na quadra e pressionar bastante”, comentou o mineiro, destacando as ótimas devoluções da equipe, que pressionou o serviço dos franceses do início ao fim, conseguindo duas quebras no set para selar a vitória no quarto match point.

“Foi um jogaço hoje. A gente tinha que jogar nesse nível para ganhar dessa dupla, que é a melhor da temporada. Eles estão jogando em um nível altíssimo, foram campeões aqui no ano passado e também gostam muito de jogar nessas condições. Estamos cada vez mais maduros como dupla e com certeza a preparação fez a diferença. Fizemos o sacrifício de ficar aqui depois de Cincinnati, mesmo sendo um ano muito longo. Mas, acho que esse tipo de sacrifício faz a diferença. Treinamos 10 dias aqui antes do US Open começar e estamos colhendo os frutos”, contou Bruno.

O mineiro volta a fazer final no Grand Slam americano. Em 2013, ao lado do austríaco Alexander Peya, Soares ficou com o vice em partida contra Radek Stepanek e Leander Paes. “Naquele ano, o Alex se machucou na semi e entramos para cumprir tabela. Agora vai ser diferente. Vamos entrar para competir e quem sabe ganhar mais um Grand Slam”, finalizou o mineiro.

O time enfrentará os espanhois Pablo Carreño Busta e Guillermo Garcia-Lopez, que eliminaram os cabeças de chave 8 Feliciano Lopez e Marc Lopez em sets diretos. A final será neste sábado, às 13h, horário de Brasília, com transmissão dos canais ESPN e Sportv3.

Murray/Soares vencem Guccione/Sá e vão à semi do US Open

Bruno Soares saiu vitorioso do duelo de brasileiros. Pelas quartas de final do US Open, ele e o britânico Jamie Murray derrotaram a dupla formada pelo mineiro André Sá e o australiano Chris Guccione em dois sets a um, com parciais de 7/6, 2/6 e 6/3.

brunosoares2016openday8vdzjs19q-scx

Os dois times fizeram uma excelente partida, disputada do início ao fim. No primeiro set, ambas as duplas tiveram chances de quebra que não foram aproveitadas, com Guccione e Sá tendo até mesmo dois set points no último game. Empatados, a decisão foi para o tie-break, onde o mineiro e o australiano chegaram a abrir 3-0, mas que não impediu a reação de Soares e Murray, que fecharam a parcial no quinto set point.

No segundo, Sá e Guccione vieram com tudo, quebrando o saque de seus adversários por duas vezes e abrindo 4/0 logo de cara. O time continuou a sustentar a vantagem e confirmou a vitória da parcial, levando a decisão para o terceiro set. Sólidos no serviço, perdendo apenas quatro pontos durante o set, uma única quebra no quarto game foi o suficiente para que Soares e Murray levassem a partida.

“Estou muito feliz da gente estar na semi aqui no US Open. Adoro jogar aqui e hoje não foi fácil. Nunca é legal enfrentar um amigo. Foi um jogo longo, de altos e baixo, mas terminamos jogando muito bem e agora vamos com tudo pra semi”, disse Bruno após atingir sua segunda semifinal no Grand Slam americano. O mineiro foi vice-campeão na edição de 2013, quando jogava ao lado do austríaco Alexander Peya.

A vitória coloca Bruno Soares e Jamie Murray na semifinal do US Open, onde enfrentarão os franceses e atuais campeões Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut, que eliminaram o sueco Robert Lindstedt e o paquistanês Aisam-ul-Haq Qureshi em sets diretos.

Murray/Soares vencem e se garantem no Finals; Bellucci/Demoliner caem

Bruno Soares e Jamie Murray venceram mais uma no US Open. O brasileiro e o britânico venceram a dupla formada pelo americano Brian Baker e o neozelandês Marcus Daniell em sets diretos, com parciais de 6/3 e 7/6.

Bruno+Soares+2016+Open+Day+8+2ofIjzgdWN9x

O primeiro set foi dominante, com Bruno e Murray conseguindo duas quebras no saque de seus adversários e salvando os dois break points disponíveis em seus serviços. A dupla foi mais ameaçada na parcial seguinte. Salvando mais três break points no segundo, o set seguiu tenso e sem quebras, sendo decidiu no tie-break. Lá, Baker e Daniell estiveram na frente em boa parte, tendo até mesmo um set point, mas o mineiro e o britânico ficaram firmes na partida e garantiram a vitória no segundo match point.

A vitória garante um brasileiro na semifinal do US Open, já que a dupla enfrentará o mineiro André Sá e o australiano Chris Guccione nas quartas. O resultado também garante Soares e Murray no ATP Finals, que já tem os franceses Herbert/Mahut e os irmãos Bryan classificados.

Mais cedo, Thomaz Bellucci e Marcelo Demoliner deram adeus ao Grand Slam americano. Os brasileiros foram superados pelos espanhois Feliciano Lopez e Marc Lopez num duplo 6/3.

Os espanhois dominaram o primeiro set, tendo duas quebras durante a parcial. No set seguinte, Bellucci e Demoliner chegaram a abrir 2/0, mas o gaúcho foi quebrado por duas vezes, com os Lopez fechando a partida sem problemas. Nas quartas, os espanhois enfrentarão os irmãos Bryan, que venceram Marrero/Verdasco no último domingo.

Quartas de final:
Herbert/Mahut x Lindstedt/Qureshi
Murray/Soares x Guccione/Sá
Lopez/Lopez x Bryan/Bryan
Kubot/Peya x Carreno Busta/Garcia-Lopez

Guccione/Sá vencem mais uma e vão às quartas

André Sá e Chris Guccione venceram mais uma no US Open. O mineiro e o australiano derrotaram a dupla formada pelo espanhol Nicolas Almagro e o dominicano Victor Estrella Burgos em sets diretos, com parciais de 7/6 e 6/2.

Andre+Sa+2016+French+Open+Day+Four+-eTd4yK-T7Zx

O primeiro set viu Sá e Guccione atrás do placar por duas vezes, com Almagro e Burgos chegando a sacar para o set no 6/5, mas as quebras foram devolvidas logo em seguida e o set foi decidido no tie-break. Lá, o mineiro e o australiano abriram larga vantagem logo no início, tendo 6-1 e confirmando dois pontos depois. A segunda parcial foi mais tranquila, com a dupla forçando os erros dos adversários com um jogo agressivo. Guccione e Sá abriram 5/1 e administraram a vantagem até o fim, selando a vitória.

O triunfo coloca o time nas quartas de final do grand slam americano, com Sá repetindo seu melhor resultado em Nova Iorque, conseguido ao lado de Marcelo Melo em 2007. A dupla poderá encontrar Bruno Soares e Jamie Murray, já que enfrentam os vencedores do duelo de Murray/Soares com o americano Brian Baker e o neozelandês Marcus Daniell.

Soares, Sá e Bellucci/Demoliner estão nas oitavas do US Open

O Brasil segue com tudo no US Open. Disputando o último Grand Slam do ano, Bruno Soares, André Sá, Thomaz Bellucci e Marcelo Demoliner estão nas oitavas de final, podendo até mesmo ter um duelo de mineiros nas quartas.

Bruno+Soares+2016+Open+Day+3+YoLMA8cjdtgx

Bruno Soares e Jamie Murray foram os primeiros a avançar neste sábado. O time arrasou a dupla formada pelo polonês Marcin Matkowski e o austríaco Jurgen Melzer com um duplo 6/1, em 53 minutos de partida. Afiados na devolução, o mineiro e o britânico mal deram chances para seus adversários, com as cinco quebras do jogo acontecendo de forma rápida e sem disputa de vantagem. “O jogo foi impressionante, daqueles dias que tudo dá certo e tudo caiu para o nosso lado. Foi bom porque o primeiro dia foi cansativo, quente e estressante. Hoje estava mais nublado, com condições melhores de jogo. Ganhar de uma dupla forte dessas, com esse placar foi muito bom”, disse Bruno.

Nas oitavas, a dupla enfrentará o americano Brian Baker e o neozelandês Marcus Daniell, que derrotaram Bopanna/Nielsen em sets diretos. “Eles não são tão conhecidos do grande público, mas são uma dupla forte. O Baker todo mundo conhece a história dele, com 11 cirurgias e muita luta para estar aí. Eu cresci com ele, especialmente jogando challengers, e o Daniell é um duplista estabelecido no circuito. Agora é tudo parada dura”, finalizou o mineiro.

Mais tarde, André Sá e seu parceiro, o australiano Chris Guccione, conseguiram uma vitória surpreendente em cima dos cabeças de chave 7 Raven Klaasen e Rajeev Ram, com parciais de 7/6, 2/6 e 6/3. Sempre perigosos, o sul-afriacano e o americano reagiram após um longo e disputado primeiro set, levando a segunda parcial com duas quebras de vantagem.No terceiro, porém, os dois times mantiveram-se firmes, não cedendo break points até o oitavo game, onde Sá e Guccione conseguiram quebrar o serviço de Klaasen/Ram, confirmando no game seguinte a vitória. Os próximos adversários serão o espanhol Nicolas Almagro e o dominicano Victor Estrella-Burgos. Caso Soares e Sá vençam suas partidas, os times se enfrentarão nas quartas.

Na sexta-feira, o Brasil já tinha um time garantido nas oitavas. Thomaz Bellucci e Marcelo Demoliner venceram mais uma ao derrotar Yen-Hsun Lu e Janko Tipsarevic de virada, e 3/6, 7/6 e 7/6. Lá, o time enfrentará os espanhois Feliciano Lopez e Marc Lopez, que venceram Baghdatis/Muller neste sábado.

Soares, Sá e Bellucci/Demoliner avançam no US Open; Dodig/Melo caem

O dia foi quase que totalmente positivo para as duplas brasileiras em Nova Iorque. Disputando o US Open, três dos quatro times com brasileiros venceram na estreia, avançando para a próxima fase do último Grand Slam do ano.

Bruno+Soares+2016+Open+Day+3+vKWHbUxQCKnx

Foto: Mike Hewitt/Getty Images North America

Na partida mais dramática do dia, Bruno Soares e seu parceiro, o britânico, Jamie Murray, superaram os português Gastão Elias e João Sousa em dois sets a um, com parciais de 6/3, 6/7 e 7/5. O primeiro set foi tranquilo para Bruno e Jamie, abrindo 3/0 logo no início e não sofrendo ameaças até o fim. No segundo, porém, os portugueses pegaram ritmo na devolução e começaram a incomodar o saque do brasileiro e do britânico, chegando a ter quebra na frente no 4/2. Porém, Bruno e Jamie devolveram logo em seguida e a parcial foi decidida num tie-break sólido de Elias e Sousa, levando a partida para o terceiro set.

No último e decisivo set, o mineiro e o britânico voltaram melhores no jogo. Sacando bem e tendo quatro chances de quebra no serviço de seus adversários durante a parcial, a dupla veio a quebrar na quinta oportunidade, que aconteceu no 12º game. A boa atuação de Soares foi crucial, com o brasileiro fechando a rede e forçando o erro dos portugueses bem no fim, selando a vitória. Na segunda rodada, a dupla enfrentará os vencedores do duelo entre Matkowski/Melzer e Dolgopolov/Stakhovsky.

Melo e Dodig caem para anfitriões 

Marcelo Melo e Ivan Dodig não tiveram o mesmo destino que Murray/Soares. O mineiro e o croata foram derrotados pelos americanos Nicholas Monroe e Donald Young em sets diretos, com parciais de 7/5 e 7/6. A partida foi movimentada, com Melo e Dodig tendo 5/2 e saque no primeiro set, mas os anfitriões ganharam cinco games seguidos para fechar a parcial.

No segundo, Monroe e Young tiveram a vantagem no 4-2, mas o mineiro e o americano levaram a partida para o tie-break. Lá, porém, os americanos foram mais efetivos, machucando o serviço da dupla do brasileiro e tendo três mini-breaks para fechar a partida. Os sérvios Dusan Lajovic e Viktor Troicki serão os adversários dos americanos na próxima rodada.

Bellucci e Demoliner derrubam cabeças de chave

A surpresa do dia foi a vitória de Thomaz Bellucci e Marcelo Demoliner, que derrotaram os franceses Julien Benneteau e Edouard Roger-Vasselin em 7/6 e 6/3. Os brasileiros surpreenderam os cabeças de chave 11 em partida disputada, com o primeiro set vendo duas quebras para cada lado, tendo os franceses sacado para o set em 5/3 e falhando em fechar mais uma vez no tie-break, no qual chegaram a ter 4-1.

Bellucci e Demoliner demonstraram a solidez novamente no segundo set, onde os bons saques foram o suficiente para selar a vitória após conseguirem uma quebra de zero no oitavo game. Na próxima rodada, os brasileiros jogarão contra o taiwanês Yen-Hsun Lu e o sérvio Janko Tipsarevic.

Sá e Guccione superam convidados

O mineiro André Sá e o australiano Chris Guccione venceram tranquilamente os convidados americanos John McNally e Jeffrey Wolf num duplo 6/4. Sem muitas dificuldades, o time ficou firme na partida, não sendo ameaçados em momento algum. Uma quebra em cada set foi o suficiente para que o time avançasse à segunda rodada, onde enfrentarão os vencedores de Klaasen/Ram x Butorac/Lipsky.

Guia das duplas: US Open 2016

Nicolas+Mahut+Pierre+Hugues+Herbert+2015+Open+HN60n4FZtbrx

Foto: Chris Trotman/Getty Images North America

Os campeões
Os atuais campeões são os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut. Num grande ano, a dupla foi campeã em Wimbledon, nos Masters 1000 de Indian Wells, Miami e Monte Carlo, e também em Queen’s. Na defesa de título, o time deve encontrar os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, seus algozes no Rio, nas oitavas. Porém, a grande diferença entre os pisos do Rio e de Nova Iorque devem dar uma boa vantagem pros franceses, que estão com sede de vingança.

Nas quartas, Rojer/Tecau cruzam com o time, podendo ter Murray/Soares na semi. O caminho não é fácil, tendo grandes times pela frente, mas a excelente fase e o número 1 de Mahut em jogo são uma motivação a mais para o melhor time da temporada.

Os brasileiros
[2]Marcelo Melo e Ivan Dodig
A dupla foi o grande nome da US Open Series, levando os títulos dos Masters 1000 de Toronto e Cincinnati. Fazendo partidas consistentes e dando pouquíssimas chances para seus adversários, o time foi com tudo para a gira norte-americana, sendo uma das maiores ameaças do momento. A chave é favorável pra dupla, podendo fazer um estrago:

R1: Monroe/Young
R2: Mannarino/Mathieu ou Lajovic/Troicki
Oitavas: [15]Marach/Martin
Quartas: [6]Nestor/Pospisil, [12]Kubot/Peya
Semi: [3] Bryan/Bryan, [8]Lopez/Lopez, [11]Benneteau/Roger-Vasselin, [14]Cuevas/Granollers

[4]Bruno Soares e Jamie Murray
O mineiro e o britânico terão uma difícil missão pela frente, com chave complicada. Entre times em grande fase, como Klaasen/Ram e Huey/Mirnyi, e experientes duplistas, como Matkowski/Melzer e Stepanek/Zimonjic, Bruno e Murray serão testados de todas as maneiras já nas fases iniciais.

R1: Elias/Sousa
R2: Matkowski/Melzer ou Dolgopolov/Stakhovsky
Oitavas: [16]Stepanek/Zimonjic
Quartas: [7]Klaasen/Ram, [9]Huey/Mirnyi
Semi: [1]Herbert/Mahut, [5]Rojer/Tecau, [10]Kontinen/Peers, [13]Cabal/Farah

André Sá e Chris Guccione
Com uma eliminação logo na estreia do torneio de Winston-Salem, o time vem querendo provar mais em Nova Iorque. A estreia contra os convidados americanos McNally/Wolf será ótima para a dupla pegar no embalo antes de um grande desafio logo na segunda rodada.

R1: McNally/Wolf
R2: [7]Klaasen/Ram ou Butorac/Lipsky
Oitavas: [9]Huey/Mirnyi
Quartas: [4]Murray/Soares, [16]Stepanek/Zimonjic
Semi: [1]Herbert/Mahut, [5]Rojer/Tecau, [10]Kontinen/Peers, [13]Cabal/Farah

Thomaz Bellucci e Marcelo Demoliner
Os brasileiros conseguiram bons resultados no início do ano, fazendo ótimas partidas no Australian Open, Rio Open e Brasil Open. A primeira partida da dupla no US Open, porém, não é das melhores, pegando franceses Benneteau/Roger-Vasselin logo de cara.

R1: [11]Benneteau/Roger-Vasselin
R2: Cervantes/Lorenzi ou Lu/Tipsarevic
Oitavas: [8]Lopez/Lopez
Quartas: [3]Bryan/Bryan, [14]Cuevas/Granollers
Semi: [2]Dodig/Melo, [6]Nestor/Pospisil, [12]Kubot/Peya, [15]Marach/Martin

Ausência
A maior ausência no Grand Slam é a do romeno Florin Mergea, que foi diagnosticado com sesamoidite, uma inflamação em dois ossos do pé. A previsão é de pelo menos um mês fora, perdendo o US Open e a temporada asiática. Seu parceiro, o indiano Rohan Bopanna, disputará o torneio com o dinamarquês Frederik Nielsen, campeão de Wimbledon em 2012.

Pra questionar
Quando uma dupla se inscreve nos torneios, o ranking combinado dos dois membros do time decide se eles disputarão ou não a chave. Marcelo Melo, número 3 do mundo, e Ivan Dodig, número 7, possuem o ranking combinado de 10, por exemplo. Caso dois times empatem na soma do combinado, a regra diz que a prioridade será dada para o time com o maior número de simplistas. Assim, dois simplistas ou um duplista e um simplista sempre estarão na frente de dois duplistas.

E foi justamente essa regra que deixou dois grandes duplistas fora. Nicolas Almagro e Victor Estrella Burgos foram os últimos a entrar na chave, com o ranking combinado de 130. Nos alternates, Mikhail Kukushkin e Illya Marchenko são os primeiros fora, empatados com o espanhol e o dominicano. Os segundos, no entanto, são os especialistas Colin Fleming e Mariusz Fyrstenberg, também com 130. A regra existe como uma garantia a mais de que os simplistas disputarão a chave, mas até onde isso é justo com os duplistas, que ficarão fora da chave de seu próprio evento num dos quatro maiores torneios do ano?

A briga pelo número 1 esquenta mais uma vez
Nicolas Mahut, atual número 1 do mundo, defende o título no US Open, enquanto Marcelo Melo não possui pontos para defender no Grand Slam. O francês e o brasileiro são os principais candidatos na briga pela liderança, tendo também a possibilidade de Bob Bryan assumir o número 1 caso os gêmeos sejam campeões e Melo e Mahut caiam nas primeiras rodadas.

doubles

As melhores partidas de 1ª rodada

  • Matkowski/Melzer x Dolgopolov/Stakhovsky
  • Stepanek/Zimonjic x Bopanna/Nielsen
  • Johnson/Querrey x Fognini/Seppi
  • Klaasen/Ram x Butorac/Lipsky
  • Benneteau/Roger-Vasselin x Bellucci/Demoliner
  • Cuevas/Granollers x Marrero/Verdasco
  • Marach/Martin x Draganja/Inglot

O melhor das duplas… de graça!
Assim como no ano passado, a segunda quinta-feira do torneio terá portões abertos. Isso mesmo: se você está em Nova Iorque, poderá ver um Grand Slam de graça! No dia 8 de Setembro, o público poderá acompanhar as semifinais de duplas masculinas, assim com as duplas femininas, duplas mistas, as chaves juvenis e o torneio das lendas pagando absolutamente nada. Um presentão para os fãs de tênis!

Melo e Dodig conquistam o título em Cincinnati

A dupla formada pelo brasileiro Marcelo Melo e o croata Ivan Dodig venceu mais uma vez. Campeões em Toronto, agora o time conquistou o título do Masters 1000 de Cincinnati, nos Estados Unidos. Em partida contra o holandês Jean-Julien Rojer e o romeno Horia Tecau, Melo e Dodig ganharam em dois sets a um, com parciais de 7/6, 6/7 e 10-6.

Marcelo+Melo+Western+Southern+Open+Day+9+h-KXa5B14NYx

A final foi equilibrada, com poucas oportunidades cedidas. O primeiro set viu apenas uma chance de break point para cada um dos times, que não foram aproveitadas. No tie-break, o mineiro e o croata saíram na frente após uma esquerda de Dodig desestabilizar os voleios de Rojer, aproveitando e fechando.

No segundo, Rojer e Tecau precisaram de seis set points, sendo três deles durante os games finais, para empatar e levar a partida para o match tie-break. Lá, a disputa seguiu pegada, até que Rojer cometeu uma dupla falta no 11º ponto, dando a liderança para seus adversários, que foi aumentada momentos depois com uma grande devolução de Dodig. Sacando pro jogo, o croata confirmou a vitória com um ótimo segundo serviço.

Esta foi a oitava vitória seguida de Melo e Dodig, que também venceram o Masters 1000 de Toronto, no Canadá, na semana anterior aos Jogos Olímpicos. Melo conquistou o 21º título da carreira, sendo o sexto com Dodig. Agora a dupla segue para Nova Iorque, onde disputarão o US Open, o último Grand Slam do ano.