Algozes de Peya e Soares levam o título no Brasil Open

Com transmissão em tv aberta, a final de duplas contou com os cabeças de chave 2, os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, e Guillermo Garcia-Lopez e Philipp Oswald, os campeões do Brasil Open 2014. Conhecidos por eliminarem Bruno Soares e Alexander Peya na primeira rodada do torneio, o espanhol e o austríaco não tiveram uma final fácil.

Philipp Oswald e Guillermo Garcia-Lopez. (Wander Roberto/inovafoto)

Philipp Oswald e Guillermo Garcia-Lopez. (Wander Roberto/inovafoto)

Logo após o aquecimento, Cabal pediu para o fisioterapeuta do torneio tratá-lo no punho. Com a partida iniciada, os colombianos tomaram a vantagem cedo, no quinto game, quando Oswald sacava. Em uma boa devolução de Cabal, o austríaco foi quebrado sem pontuar em seu saque.  Já no oitavo game, Farah sofreu com um péssimo saque e uma belíssima cruzada de Garcia-Lopez devolveu a quebra. Mais três quebras seguiram neste set e Farah confirmou para os colombianos fecharem em 7/5.

O segundo set começou promissor para os colombianos, com a quebra no primeiro game em um erro de Oswald na rede. A quebra foi devolvida no quarto game, em devolução do austríaco no saque de Farah. Cabal, sacando em 4/5 para igualar o set, apresentou muitos erros. Erro na rede, dupla falta e bola para fora custaram o set para os colombianos, dando a oportunidade de Oswald e Garcia-Lopez fecharem em 6/4.

No match tie-break, Cabal e Farah começaram mal e sofreram o primeiro mini-break com uma bola para fora de Farah. O mini-break foi devolvido no saque de Garcia-Lopez que, com um erro de Oswald na rede e bola para fora do companheiro espanhol, deu a vantagem para os colombianos. Porém, logo em seguida, Garcia-Lopez acertou a linha e igualou a partida. Oswald, sacando no 12-12, cometeu dupla-falta, dando match-point para os colombianos. Cabal sacava para a partida, mas Farah errou dois voleios na rede, dando o match-point para os adversários, que aproveitaram e confirmaram o título.

Este foi o primeiro título na carreira do austríaco Philipp Oswald que, na zona mista após a vitória, definiu a partida como muito disputada e destacou a difícil chave. Já Garcia-Lopez, que levantou seu quinto troféu de campeão nas duplas, comemorou o bom começo de ano. Questionado como foi  vencer os dois principais cabeças de chave, o espanhol foi positivo. “Desde o primeiro dia, em que ganhamos de Bruno (Soares) e (Alexander) Peya, fomos melhorando, ganhando confiança e conquistamos o torneio,” declarou.

Garcia-Lopez também confirmou que a parceria irá continuar. “No momento, continuaremos, sim.” Já sobre o Finals, o espanhol foi realista. “Está muito longe ainda.”

Pitacos: Garcia-Lopez e Oswald apresentaram alguns buracos em seu jogo e os colombianos não conseguiram aproveitar. Os campeões não possuíam primeiro saque, trabalhando a maioria dos pontos com o segundo saque. Os colombianos, por sua vez, apresentaram uma grande melhoria na tática do time, sendo notável o efeito que Jeff Coetzee está causando. Ainda sim, é possível ver que o forte de Cabal é na rede e de Farah é no jogo de fundo, além de Farah ser mais estável no saque, quando está se sentindo confiante. Farah é o que se sente mais abalado quando algo dá errado e foi possível notar no match tie-break.

Anúncios

Um comentário sobre “Algozes de Peya e Soares levam o título no Brasil Open

  1. Uma pena os “Colômbia Boys” não terem vencido também o Brasil Open, mas o título no Rio e o vice em Sampa certamente os deixarão confiantes para a sequência do ano. No ranking dessa segunda-feira, ambos são top 40 e entrarão em Indian Wells e Miami.

    Outro fato que muitos podem não lembrar é a força do time colombiano na Copa Davis. Com três top 100 (Alejandro Gonzalez, Santiago Giraldo e Alejandro Falla) e a dupla Farah/Cabal, eles têm um time bem interessante e (para mim) já passou da hora de entrarem na divisão de elite da competição.

    Há dois anos, Cabal e Farah jogaram em São José do Rio Preto contra Melo e Soares. Perderam, é verdade, mas ali talvez tenha iniciado o sonho de formar realmente uma parceria de sucesso. Os dois devem dar trabalho às principais duplas do mundo em um Playoff de Grupo Mundial, j;a que a Colômbia certamente estará lá em setembro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s