Bruno Soares está de volta à final do US Open. O atual campeão do torneio e o seu parceiro, o britânico Jamie Murray, superaram a dupla do australiano John Peers com o eslovaco Filip Polasek em dois sets a um, com parciais de 6/3 3/6 6/4 e 1h45 de partida. Na final, a dupla enfrentará o norte-americano Rajeev Ram e o britânico Joe Salisbury.

Foto: Rhea Nall/USTA

“É muito difícil de explicar essa situação toda. É uma combinação de fatores: a energia desse lugar é diferente para mim, as condições estavam boas, o astral estava lá pra cima, o meu filho Noah está aqui comigo… juntou tudo. Sabíamos que não ia ser nada fácil. Eu não vinha jogando bem, estava sem ritmo nenhum e sabia que ia ser questão de sobrevivência nas primeiras rodadas. Na minha preparação para cá pude treinar apenas uma semana com intensidade. O meu físico não estava nas melhores condições, estava muito abaixo e, quando comecei a treinar mais forte, o meu corpo ficou muito dolorido”, destacou o mineiro. O US Open foi o primeiro torneio de Bruno após ser diagnosticado com apendicite durante os Jogos Olímpicos de Tóquio e ter que passar por cirurgia. No total, o brasileiro ficou sem disputar torneios por dois meses, com o último sendo em Wimbledon.

“Eu sabia que ia ser na superação e que essas duas primeiras rodadas iam ser para sobreviver no torneio e pegar ritmo, confiança e subir o nível. E foi exatamente isso o que fizemos, desde a terceira rodada a gente está jogando num nível super bom e com o mental muito firme, não deixando se abalar com pequenas coisas ou situações que sabíamos que iam acontecer. Agora é curtir o momento e não abaixar a guarda. Ainda falta um jogo para conquistar o caneco”, continuou o atual número 11 do ranking de duplas.

Após a cirurgia, Bruno ficou parado por um mês em casa. A situação deixou o mineiro com dúvidas. “Por algumas vezes, ao longo desse mês parado, eu pensei em mudar a minha estratégia e até de não jogar mais neste ano, me preparando para o ano que vem. Num mês parado você perde todo o seu físico, massa muscular, explosão… Mas aí pensei: quer saber? É o último Grand Slam do ano e não sou mais tão jovem assim, então eu vou lá para curtir o momento e fazer o meu melhor. Curtir no sentido de ir com a cabeça aberta, lutando do início ao fim, mas aceitando mais as adversidades. E foi isso que aconteceu”, finalizou Bruno, contente com a escolha de ir para Nova Iorque.

Bruno e Jamie voltam a fazer final no US Open após 5 anos da conquista de 2016. O mineiro foi campeão de major nas duplas masculinas em três oportunidades: no Australian Open, em 2016 (com Jamie Murray), e duas vezes no próprio US Open, em 2016 (Murray) e 2020 (Mate Pavic).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s