Duplas de Melo e Soares caem na estreia em Monte Carlo

Em suas estreias, as duplas dos mineiros Marcelo Melo e Bruno Soares foram eliminadas do Masters 1000 de Monte Carlo. Primeiros em quadra, Melo e seu parceiro, o polonês Lukasz Kubot, foram superados pelos italianos Simone Bolelli e Fabio Fognini na última quarta-feira em dois sets a um, com parciais de 2/6, 6/2 e 10-7.

335661_782476_40409499631_8b6244fd8e_k

Foto: Fotojump

“Mais um jogo parecido com o Masters 1000 de Miami. Jogamos muito bem, mas os pequenos detalhes decidiram contra. Foi uma bela partida. Eles jogam muito bem nessa superfície. Fizemos um excelente primeiro set, depois eles acabaram quebrando em um game e começaram a jogar também muito decisivo. E no match tie-break foi um ponto pra cá outro pra lá que decidiu o jogo, mas a partida foi em alto nível”, resumiu Melo.

Esta foi a quarta derrota seguida da dupla, que contou com o mineiro sofrendo uma lesão muscular no ATP 500 de Acapulco, no início de Março. Apesar da sequência negativa, Melo segue confiante com o desempenho: “Uma pena não ter caído para o nosso lado, mas temos de ter tranquilidade de saber que se continuarmos jogando assim uma hora os resultados virão, porque o nível realmente foi muito alto nos nossos dois últimos jogos, em Miami e aqui. Agora é seguir treinando, pegar os próximos torneios e recuperar a confiança, de volta, que é um detalhe que está faltando. Temos que ser um pouco mais decisivo nos momentos importantes, que isso vem com a confiança de ganhar mais um ou dois jogos seguidos.”

Melo e Kubot agora seguem para a Espanha, onde disputarão o ATP 500 de Barcelona. Depois, vão para o ATP 250 de Munique e os Masters 1000 de Madri e Roma, até chegar a Paris, para Roland Garros, o segundo Grand Slam do ano.

Já nesta quinta-feira, Bruno Soares e Jamie Murray sofreram a virada para o indiano Rohan Bopanna e o francês Edouard Roger-Vasselin, com parciais de 3/6, 6/4 e 11-9.

Após dois sets muito parecidos, com apenas uma quebra acontecendo em cada, a partida foi decidida no match tie-break. Lá, o time do mineiro e do britânico teve três chances de fechar a partida, mas Murray cometeu duas duplas faltas quando sacava para o jogo, com a dupla perdendo cinco pontos seguidos no total.

Quem também sofreu uma derrota nesta quarta-feira foi o gaúcho Marcelo Demoliner, que disputou o challenger de Tunis, na Tunísia. Ao lado do sueco Robert Lindstedt, a dupla foi superada nas quartas de final pelos belgas Sander Gillé e Joran Vliegen em 7/6 e 6/3.

Anúncios

Melo e Kubot buscam defesa de título em Miami; duplas de Soares e Demoliner conhecem adversários

Campeões na última edição, a dupla do mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot retornam ao Masters 1000 de Miami, onde conquistaram seu primeiro torneio da vitoriosa temporada de 2017, para a defesa do título. Na dura estreia que terão pela frente, a dupla cabeça de chave 1 enfrentará os norte-americanos Sam Querrey e Steve Johnson.

DYv-LkVUQAAHrQe

Foto: Getty Images

Já recuperado de uma lesão no glúteo, que o tirou do ATP 500 de Acapulco, Melo está confiante no desempenho da dupla em Miami. “Estamos treinando muito bem. Eu pude aproveitar esse intervalo entre Indian Wells e aqui para fazer uma bela preparação física, junto com o treino de quadra. Foi muito bom para recuperar esse período em que estive machucado, quando tive pouco tempo para me preparar para Indian Wells. Agora, ao contrário, já fizemos vários treinos, pela manhã e à tarde, para chegar na melhor forma possível”, afirmou o número 1 do mundo.

Bruno Soares e Jamie Murray, cabeças 6, estão no mesmo lado da chave de Kubot/Melo. Na estreia, o mineiro e o britânico enfrentarão a dupla formada pelo norte-americano Ryan Harrison e o bielorrusso Max Mirnyi. Em 2017, as duplas de Soares e Melo se enfrentaram nas quartas de final, com vitória do mineiro e do polonês.

Quem também jogar Miami é o gaúcho Marcelo Demoliner, que recebeu convite da organização e disputará o Masters 1000 americano ao lado do experiente canadense Daniel Nestor, campeão de oito Grand Slams. Na primeira rodada, a dupla enfrentará o japonês Ben Mclachlan e o alemão Jan-Lennard Struff, semifinalistas do Australian Open. No ano passado, Demoliner também disputou Miami, sendo o primeiro Masters 1000 de sua carreira. Ao lado de Marcus Daniell, o brasileiro caiu na estreia, também para a dupla de Melo.

Melo: “Foi um bom jogo, mas faltou um pouco de ritmo”; Murray/Soares também se despedem

Marcelo Melo e Lukasz Kubot caíram na estreia do Masters 1000 de Indian Wells, na Califórnia. Neste domingo, a dupla cabeça de chave número 1 do torneio foi eliminada pelos espanhois Roberto Bautista Agut e David Ferrer em sets diretos, com parciais de 6/4 e 6/4.

26539019518_0497c0b6b8_k

Foto: Fotojump

O primeiro set contou com chances para os dois times. Bautista Agut e Ferrer saíram na frente, quebrando o serviço dos adversários no quinto game e abrindo 4/2. Melo e Kubot chegaram a reagir, devolvendo a quebra no oitavo game, mas os espanhois voltaram a ficar na frente logo em seguida, quebrando e confirmando a vitória da parcial pouco depois.

Já o segundo set viu os saques de Bautista Agut e Ferrer serem confirmados sem enfrentarem nenhum break point. Uma única quebra, no quinto game, foi o suficiente para que os espanhois levassem a partida, mantendo a diferença e confirmando no segundo match point disponível.

“Sabíamos que teríamos um jogo muito duro, pois os adversários jogaram bem os torneios que não pudemos estar. Entramos bem preparados, mas faltou um pouco de ritmo. Vamos continuar a preparação como deveria, para seguir adiante, e retomar a confiança que tínhamos  até o Australian Open e Roterdã. Com certeza, Miami será melhor, pois teremos mais tempo para treinar. Agora, é corrigir os erros. Mesmo perdendo, foi um bom jogo e tivemos algumas chances”, analisou o mineiro, que se recuperou de uma lesão no glúteo, responsável por tirar a dupla do ATP 500 de Acapulco.

Já nesta segunda-feira, quem também se despediu de Indian Wells foi Bruno Soares. Ao lado de Jamie Murray, a dupla foi superada nas oitavas de final pelo luxemburguês Gilles Muller e o norte-americano Sam Querrey em dois sets a um, com parciais de 7/5, 6/7 e 10-2.

O primeiro set foi de poucas chances e contou com uma única quebra, no último game da parcial, dando Muller e Querrey a liderança. No segundo, as duplas trocaram uma quebra cada, com o luxemburguês e o norte-americano tendo dois match points no 12º, ambos salvos por Murray e Soares. Com tudo igual, a parcial foi decidida no tie-break. Lá, o brasileiro e o britânico chegaram a estar perdendo por 1-3, mas depois dominaram a decisão, ganhando seis dos sete pontos disputados posteriormente.

No match tie-break, a história foi contrária para Muller e Querrey. A dupla estava com um mini-break abaixo na parcial, perdendo de 1-2, mas conquistou todos os nove pontos seguintes, levando a partida.

As duplas de Melo e Soares agora seguem para o Masters 1000 de Miami, onde Melo e Kubot defendem o título. O torneio, realizado na Flórida, começará na semana que vem, no dia 21 de Março.

Bruno Soares e Jamie Murray conquistam o bicampeonato em Acapulco

Bruno Soares e Jamie Murray defenderam o título em Acapulco. Campeões na última edição, a dupla conquistou o título mexicano mais uma vez ao derrotar os irmãos Bob Mike Bryan em sets diretos, com parciais de 7/6(4) e 7/5. Este foi o terceiro ATP 500 conquistado pela dupla, que também foi campeã em Queen’s em 2017.

332383_770200_whatsapp_image_2018_03_03_at_92952_pm_1

Foto: Abierto Telcel

A partida contou com bons games de saque de ambos os times. No primeiro set, o mineiro e o britânico salvaram quatro chances de quebra no oitavo game, enquanto os irmãos salvaram três games pouco depois. Com tudo igual, a parcial foi decidida no tie-break, onde Bruno e Murray abriram 4-1, sustentando a vantagem e levando o set.

No segundo, o serviço da dupla do brasileiro chegou a ser ameaçado em três games, mas foi no 12º game, no saque dos americanos, que a única quebra do jogo ocorreu, dando a vitória para Soares e Murray.

“Estou muito feliz. Foi mais uma semana excelente. Fizemos grandes jogos, sem perder nenhum set durante todo o torneio. Foi um excelente início dessa gira de quadras rápidas e vamos tentar levar essa confiança para Indian Wells e Miami”, analisou o mineiro, que conquistou seu sétimo título ao lado de Jamie Murray. Na carreira, são 27 troféus levantados, incluindo dois Grand Slams.

André Sá anuncia aposentaria; mineiro se despedirá nos torneios do Brasil

Com 21 anos de carreira profissional, 30 finais e 11 títulos, André Sá anunciou a sua aposentadoria. O mineiro de 40 anos disputará seus últimos torneios no Brasil, jogando o Rio Open, no Rio de Janeiro, e o Brasil Open, em São Paulo.

2017 French Open - Day Five

Foto: Getty Images

Sá, que começou a jogar tênis aos 8 anos, foi o responsável por abrir o caminho para dois grandes pilares do tênis brasileiro atual, Bruno Soares e Marcelo Melo. Semifinalista de Wimbledon nas duplas, o seu torneio favorito, o mineiro também atingiu um grande resultado no Grand Slam da grama em simples, parando nas quartas de final.

Com quatro Jogos Olímpicos disputados, Sá é o recordista do tênis brasileiro de participações, sendo a última no Rio de Janeiro, em 2016, vencendo Andy e Jamie Murray na estreia, ao lado de Thomaz Bellucci. Também representando o Brasil, o mineiro foi medalha de ouro nas duplas nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, em 1999, e disputou 18 confrontos de Copa Davis.

“Tomei a decisão no começo de Janeiro. Por várias razões, mas essa oportunidade de treinar o Bellucci ajudou. Foi bem difícil essa decisão, levou alguns meses, somente depois do US Open que realmente comecei a pensar em parar. Sentia que era a hora certa,” revelou o mineiro, que seguirá treinando o paulista Thomaz Bellucci.

Ex-número 17 do mundo, André avaliou bem seus mais de 20 anos de carreira e destacou seus momentos favoritos: “Avalio minha carreira como de sucesso, longevidade nunca é fácil, né? Depende de muita de disciplina e comprometimento. Os pontos altos foram Wimbledon, medalha de ouro no Pan 99, representar o Brasil na Copa Davis e o tanto de amizades que fiz nesses 22 anos de carreira. Ficou faltando mesmo um titulo de Grand Slam, esse era o objetivo quando comecei a jogar duplas.”

Disputando os torneios brasileiros antes de encerrar oficialmente sua carreira, o mineiro deseja deixar uma boa impressão. “Só espero uma última boa apresentação em casa, junto da minha família nesses torneios, e querendo ganhar também. Sem dúvidas serão semanas diferentes e emocionantes para mim”, seguiu.

Ativo também nos bastidores, o brasileiro fazia parte do Conselho dos Jogadores da ATP, além de dar palestras para empresas. Simultaneamente ao trabalho de treinador de Bellucci, Sá atuará como sócio da Linkinfirm, empresa que cuida da carreira de Bruno Soares e outros tenistas brasileiros, além de Bob e Mike Bryan. Apesar de estar se aposentando, o tenista afirma que não vai pendurar a raquete de vez: “Tênis representa tudo, uma paixão que me deu caminho para várias realizações. Conheci minha esposa, o mundo e, principalmente, eu mesmo. Amo tênis e nunca vou parar de jogar. Estou parando de competir, mas parar de jogar só quando bater as botas”, encerrou, brincando e declarando seu amor ao esporte.

Com 44 semanas no topo do ranking, Melo supera marca de Guga

Marcelo Melo conquistou mais uma marca histórica em sua carreira. No ranking individual de duplas divulgado pela ATP nesta segunda-feira, o mineiro manteve a primeira colocação – empatado com seu parceiro Lukasz Kubot – e passou a somar 44 semanas na liderança ao longo da carreira, uma a mais do que Gustavo Kuerten, anteriormente o recordista brasileiro.

330461_763885__s1a2117 (1)

Foto: (Luiz Doro/dorofoto)

“Fico muito feliz, é muito gratificante para mim conquistar mais um fato histórico, mais uma conquista inédita na minha carreira. Realmente essa quantidade de semanas como número 1 do mundo não é fácil. Com certeza todas as pessoas que trabalham comigo, o Daniel (Melo, irmão e treinador), o Chris (Bastos, preparador físico), minha família, meus amigos, fazem muita parte nisso. Compartilho com eles também essa alegria, esse fato, porque sem eles eu não conseguiria, juntamente com os torcedores, que sempre estão junto, independentemente de onde eu estiver, tem sempre alguém torcendo, apoiando. Então eles também são importantes nisso tudo. Por isso, compartilho com todos, mais um feito na minha carreira. Espero continuar conquistando ainda mais e permanecer por mais tempo como número 1”, comemorou Marcelo, que desde que voltou ao topo do ranking, em novembro de 2017, está há 18 semanas como líder.

Após Melbourne, Melo e Kubot abriram larga vantagem na liderança, vendo Henri Kontinen e John Peers, números 3 e 4 do mundo, se distanciarem por não terem defendido seu título no primeiro Grand Slam do ano. A dupla do mineiro e do polonês volta a jogar no dia 12 de fevereiro, no ATP 500 de Roterdã, na Holanda. Antes, nesta semana, Melo estará defendendo o Brasil na Copa Davis contra a República Dominicana, em Santo Domingo, em parceria com o gaúcho Marcelo Demoliner.

Kubot/Melo caem nas quartas do Australian Open

Não deu para Marcelo Melo e Lukasz Kubot em Melbourne. Na madrugada desta terça-feira, a dupla foi superada pelo japonês Ben Mclachlan e o alemão Jan-Lennard Struff em dois sets a um, com parciais de 6/4, 6/7 e 7/6, caindo nas quartas de final do Australian Open.

Marcelo+Melo+2018+Australian+Open+Day+4+Cua8GqQSrz0x

Foto: Darrian Traynor/Getty Images AsiaPac

A partida começou favorável para Mclachlan e Struff, que ganharam os nove primeiros pontos e quebraram o serviço de Kubot de zero, confirmando a vantagem na sequência. Melo e Kubot conseguiram devolver a diferença no oitavo game, porém o saque do polonês voltou a ser quebrado logo em seguida, com o japonês e o alemão levando o set.

O segundo set foi equilibrado e não contou com quebras, sendo decidido no tie-break. Os quatro primeiros prontos foram exclusivamente de trocas de mini-breaks. Com 3-4, a dupla de Melo e Kubot ganhou os quatro pontos seguintes, empatando a partida. A parcial seguinte foi parecida, também sem quebras e indo para o tie-break. Lá, Mclachlan e Struff saíram na frente primeiro, tendo um mini-break de vantagem até o fim, saindo vitoriosos de quadra.

“Eles jogaram realmente muito bem. Começamos a partida muito abaixo do que vínhamos jogando. Poderíamos ter iniciado muito melhor, para quem sabe já sair dominando e fazer um jogo diferente. A partir do segundo set passamos a jogar melhor, mas eles estavam mais confortáveis na partida, sacando melhor que nós. Então isso acabou sendo determinante. No terceiro set tivemos duas boas chances de break no 4/4, quando o jogo poderia ter sido decidido para o nosso lado. Depois, no tie break, acabou um ponto decidindo para o lado deles”, analisou o mineiro. “Realmente, a dupla acaba definida por um ponto ou outro. Infelizmente hoje foi para eles, que também mereceram muito a vitória por terem jogado muito bem, especialmente nas horas de pressão. Fica mais um aprendizado e lição para nossa dupla. Aumentar novamente os treinos e focar no que acabamos pecando aqui para não acontecer novamente e continuar tendo boas chances de outros títulos grandes pela frente”, finalizou Melo, que tem como próximos compromissos a Copa Davis, na República Dominica, e o ATP 500 de Roterdã, na Holanda.

 

De virada, Melo e Kubot confirmam favoritismo e vão às quartas

Na madrugada desta segunda-feira, Marcelo Melo e Lukasz Kubot derrotaram o americano Rajeev Ram e o indiano Divij Sharan de virada, com parciais de 3/6, 7/6 e 6/4. A vitória avança a dupla do brasileiro e do polonês para as quartas de final do Australian Open, o primeiro Grand Slam do ano.

Marcelo+Melo+2018+Australian+Open+Day+4+RlMKU2tXzxzx

Foto: Darrian Traynor/Getty Images AsiaPac

No primeiro set, Melo e Kubot quebraram seus adversários no quinto game, mas viram Ram e Sharan reagirem logo na sequência, ganhando quatro games seguidos e levando a parcial em 6/3. O set seguinte foi parelho, com nenhuma das duplas tendo seus saques quebrados. No tie-break, Melo e Kubot conseguiram dois mini-breaks, empatando a partida em um set a um.

Com tudo igual, o jogo foi decidido no terceiro set. Lá, o brasileiro e o polonês cresceram em seus games de saque, não dando chances de quebra pra seus adversários, que conseguiram apenas cinco pontos durante o serviço de Melo e Kubot. A dupla dos número 1 do mundo aproveitaram o break point no sétimo game, quebrando Ram e Sharan e segurando a vantagem até o fim, se garantindo nas quartas de Melbourne.

“Jogo muito duro. Começamos muito bem com um break na frente, mas depois que eles quebraram baixamos muito o nível até a metade do segundo set, quando conseguimos nos reencontrar até fechar o tie break. No início do terceiro set estávamos mais inteiros e tivemos chance de break logo no início e depois quebramos, sempre sacando muito bem. Grand Slam é torneio longo e não dá para jogar muito bem todo dia. O importante é estar confiante e manter a calma para conquistar a vitória, como fizemos hoje”, analisou o mineiro.

Nas quartas, a dupla enfrentará o japonês Ben Mclachlan e o alemão Jan-Lennard Struff, jogo que acontece já na madrugada desta terça-feira, não antes da meia noite, com transmissão da ESPN+.

Com cinco vitórias consecutivas no ano, Melo e Kubot vão às oitavas; Murray/Soares fora

Marcelo Melo e Lukasz Kubot venceram mais uma partida em Melbourne. Disputando o Australian Open, a dupla cabeça de chave 1 derrotou os australianos Max Purcell e Luke Saville em dois sets a zero, com parciais de 6/3 e 7/6, se garantindo nas oitavas de final.

Marcelo+Melo+2018+Australian+Open+Day+4+vKhmrjGi80-x

Foto: Darrian Traynor/Getty Images AsiaPac

Em partida equilibrada, Melo e Kubot aproveitaram as chances melhor do que seus adversários. O primeiro set viu seis dos noves games tendo break points disputados, com a dupla do brasileiro quebrando primeiro e abrindo 4/1. Os australiano conseguiram devolver a diferença, marcando 4/3, mas Melo e Kubot voltaram a ter a vantagem logo no game seguinte, fechando o set em 6/3. Na segunda parcial, o equilíbrio foi ainda maior, com apenas um dos games tendo break points disputados, mas sem nenhuma conversão. Decidido no tie-break, a experiência de Melo e Kubot prevaleceu, com a dupla vencendo em 7-2 e levando a partida.

“Hoje fizemos um dos melhores jogos deste ano. Jogamos muito bem contra uma dupla perigosa, que não conhecíamos, e que se continuar junta vai dar muito trabalho. Conseguimos imprimir nosso ritmo, mesmo sabendo que a dupla australiana era franco-atiradora e que teria o apoio da torcida em uma quadra grande lotada. Fomos bem melhores do que na primeira rodada, o que dá confiança para o próximo jogo”, analisou o mineiro. Nas oitavas de final, a dupla enfrentará o americano Rajeev Ram e o indiano Divij Sharan.

O destino de Bruno Soares e Jamie Murray não foi o mesmo. Enfrentando os indianos Leander Paes e Purav Raja, o mineiro e o britânico foram eliminados do primeiro Grand Slam do ano em dois sets a um, com parciais de 7/6, 5/7 e 7/6. Os indianos enfrentarão os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah na próxima rodada.

Em grande atuação de Leander Paes, a partida viu os indianos crescerem com o passar do tempo. Na primeira parcial, Soares e Murray chegaram a sacar pro set em 5/3, porém Paes e Raja devolveram a quebra, igualando a partida. No tie-break, os cinco primeiros pontos foram mini-breaks, com os indianos tendo a vantagem, segundo até o fim e levando a parcial. No segundo set, os times confirmaram seus saques sem dramas por dez games consecutivos, até Soares e Murray quebrarem logo seus adversários e confirmarem a vitória do set no game seguinte.

A parcial decisiva contou com as duplas mais sólidas, confirmando os serviços e salvando os break points. No tenso tie-break, Soares e Murray chegaram a ter um match point, que foi salvo pelos adversários. Após um bela curta de Raja, a dupla dos indianos passou a ter um match point, que foi convertido com Raja acertando um winner de devolução no saque de Soares.