Bruno Soares reflete a escolha de se aposentar no US Open: “Achei que tinha tudo a ver encerrar por aqui”

Bruno Soares anunciou a sua aposentadoria. Aos 40 anos, o mineiro seis vezes campeão de Grand Slam decidiu encerrar a sua vitoriosa carreira após a disputa do US Open, o torneio mais vitorioso de sua carreira.

“Essa ideia de aposentadoria começou a ficar cada vez mais clara recentemente. Foi mais ou menos em março deste ano que tomei a decisão de me aposentar nesta temporada. Não quis fazer planos, decidir um último torneio ou algo grande. Aí, quando chegou perto do US Open, eu resolvi que me aposentaria caso não fizesse um grande resultado”, disse Bruno sobre quando tomou a decisão.

Foi em Nova Iorque que o tenista conquistou quatro de seus seis Grand Slams: dois nas duplas masculinas (2016 e 2020) e dois nas duplas mistas (2012 e 2014). “O US Open é um lugar muito especial para mim. É o meu torneio favorito: tive os meus melhores resultados, é a cidade que eu mais amo no mundo, com uma energia incrível, muito brasileiro torcendo e a minha família toda estava presente. Achei que tinha tudo a ver encerrar por aqui. Por mais que fosse surpresa para a grande maioria, dentro de mim eu já sabia que seria o meu último torneio. Fico muito feliz que a minha última raquetada foi no US Open”, continuou, explicando a escolha de torneio.

Bruno ainda não sabe quais serão os seus próximos passos: “Não tenho um plano concreto no momento, mas vou seguir com a MadFish. É uma empresa que comecei em 2015 e que está crescendo bastante. A Fly está nela, com muitos projetos de tênis, e também outros negócios. Quero dar sequência nisso aí, mas também quero tomar o meu tempo. Quero sentar, ir com calam e refletir os meus próximos passos. O importante é não ter pressa”, falou.

Em sua carreira, Bruno foi campeão em 35 torneios e vice-campeão em outros 34. Com o melhor ranking de número 2 do mundo, os destaques ficam por conta dos três Grand Slams nas duplas masculinas – Australian Open (2016) e US Open (2016 e 2020) – e outros três nas duplas mistas – Australian Open (2016) e US Open (2012 e 2014) -, além de quatro Masters 1000 e duas vezes o título de melhor dupla da temporada (2016 e 2020). Bruno também representou o Brasil pela Copa Davis em 20 oportunidades, além de ter disputado os Jogos Olímpicos nas edições de Londres, em 2012, e Rio de Janeiro, em 2016.

“Realizei muito mais do que sonhei. O meu sonho de garoto era disputar um Grand Slam e, quem sabe, fazer uma coisa ou outra por aí. Fiz muito mais do que sonhei nos meus sonhos mais extremos, sou muito privilegiado. É muito fácil falar que os Grand Slams que vencei foram as minhas maiores conquistas, mas acho que a maior mesmo foi ter caído mil vezes e levantado mil vezes. Nunca ter desistido. Abaixei a cabeça em algumas vezes, mas não desisti em nenhum momento. Por causa disso, fui capaz de jogar até os 40 anos e de ter conquistado tudo o que conquistei. Tive vários momentos especiais na minha carreira, mas especial mesmo foi toda a jornada”, refletiu.

Bruno foi tenista profissional por 22 anos e não deixou de agradecer as pessoas que passaram por sua vida. “A coisa mais importante que o tênis me deu foram as pessoas que conheci ao longo desta jornada. Resultados, títulos… isso vai e vem. Mas as pessoas, amizades, alegrias e dores ficam pra sempre. Foi isso que o tênis me deu. Agradeço todo mundo que esteve ao meu lado, e sei que foram muitas. Seria impossível conquistas tudo o que conquistei sem vocês”, finalizou.

Bruno Soares encerra vitoriosa carreira

Neste sábado, Bruno Soares anunciou a sua aposentadoria. Após 22 anos como profissional, o mineiro decidiu pendurar a raquete após a disputa do US Open, onde disputou ao lado de Jamie Murray e parou na segunda rodada do torneio.

Os números de Bruno falam por sua enorme carreira. O mineiro foi número 2 do mundo, parte da melhor dupla das temporadas de 2016 e 2020, campeão de três Grand Slams nas duplas masculinas e outros três nas duplas mistas. Ao todo, Bruno conquistou 35 títulos na ATP e foi finalista em outros 34 torneios.

CategoriaNúmero de títulosTorneios
Grand Slam (duplas masculinas)3Australian Open (2016)
US Open (2016 e 2020)
Grand Slam (duplas mistas)3Australian Open (2016)
US Open (2012 e 2014)
Masters 10004Montréal (2013)
Toronto (2014)
Cincinnati (2018)
Xangai (2019)
ATP 5009Tóquio (2012)
Valência (2012)
Barcelona (2013)
Valência (2013)
Basileia (2015)
Acapulco (2017)
Queen’s (2017)
Acapulco (2018)
Washington (2018)
ATP 25019Nottingham (2008)
Estocolmo (2009)
Nice (2010)
Santiago (2011)
Costa do Sauípe (2011)
São Paulo (2012)
Kuala Lumpur (2012)
Estocolmo (2012)
Auckland (2013)
São Paulo (2013)
Eastbourne (2013)
Queen’s (2014)
Munique (2015)
Sydney (2016)
Stuttgart (2017)
Sydney (2019)
Stuttgart (2019)
Melbourne (2021)
São Petersburgo (2021)

Ao todo, Bruno conquistou 545 vitórias no nível ATP ao lado de 19 parceiros diferentes:

ParceiroVitórias
Jamie Murray181
Alexander Peya153
Marcelo Melo90
Mate Pavic37
Kevin Ullyett33
Eric Butorac15
Dusan Vemic7
John Peers5
Colin Fleming, Juan Ignacio Chela, Lucas Arnold Ker4
André Sá3
Paul Hanley, Nicolas Almagro2
Juan Sebastian Cabal, Scott Lipsky, Thomaz Bellucci,
Rajeev Ram, Marcos Daniel
1

Entre os seus parceiros, Jamie Murray e Alexander Peya foram responsáveis por 12 títulos cada:

ParceiroTítulos
Jamie Murray12
Alexander Peya12
Marcelo Melo4
Mate Pavic2
Kevin Ullyett2
John Peers1
Colin Fleming1
Eric Butorac1

Bruno também se destacou como representante do Brasil em competições por equipe. Na Copa Davis, o mineiro representou o Brasil em 20 confrontos, nos quais venceu 15 partidas de duplas e duas de simples. Já em Jogos Olímpicos, Bruno participou de Londres (2012) e Rio de Janeiro (2016), fazendo quartas de final nas duas oportunidades.

As vitórias de Bruno não foram apenas dentro de quadra, mas também nos bastidores. Membro do Conselho dos Jogadores da ATP por muitos anos, o brasileiro fez parte de conquistas importantes para os duplistas no circuito, como a recente implementação das chaves de 32 em Masters 1000.

Mais do que isso, o mineiro deixará saudades nos torneios. A simpatia de Bruno é a primeira qualidade citada por qualquer um que já teve o mínimo de contato com ele. Seja imprensa, funcionários ou fãs, Bruno sempre foi solicito e, com certeza, deixou muitas marcas por onde passou.

Valeu, Bruno!

(Foto: Fotojump)

40 momentos de Bruno Soares

  1. Quando ele pediu um desafio muito duvidoso e deixou todo mundo confuso
  2. Quando ele anunciou que ia ser pai com um desenho do Cebolinha com barriga d’água
  3. Quando ele fez isso
  4. Quando a nádega esquerda dele morreu
  5. Quando ele quis desafiar o desafio
  6. Quando ele pediu pro Robert Farah tirar a camiseta
  7. Ou quando ele soltou um QUE HOMEM pro Horia Tecau
  8. Quando ele converteu um match point sentado
  9. E esse ponto aqui também sentado, porque é normal para Bruno Soares
  10. Algo muito costumeiro na vida dele, aliás
  11. Até quatro vezes
  12. Quando ele consegue essas bolas ridículas
  13. Quando ele abre a fábrica de hotdog
  14. O que acontece muito
  15. Quando ele apareceu com essa barba
  16. Quando ele declarou o seu novo cabelo como sua posse mais valiosa
  17. Quando ele mandou essa por fora da rede
  18. Quando ele apareceu de bandana e virou o El Bandido
  19. Quando ele arranjou essa devolução e tirou a Judy Murray da cadeira
  20. Quando ele deu essa cabeçada na bolinha
  21. Quando ele ficou muito triste com a bolinha escapando dele
  22. E ficou triste de novo
  23. Quando ele ameaçou o Herbert, que era seu próximo adversário, com emoji de faquinha
  24. Quando ele foi oficialmente batizado como ‘cheeky little devil’
  25. Quando ele chegou de lancha e terno numa ação da ATP
  26. E aí recolheu a bola do mar de terno, sendo o boleiro mais chique do mundo
  27. Quando ele pegou um guarda chuva para ele
  28. Quando ele ganhou do Jamie no Pie Face
  29. Quando ele ganhou um ponto pelas costas
  30. Quando ele envelheceu em plena televisão brasileira
  31. Quando ele fez isso
  32. Quando ele disse que era tão sensível quanto a grama de Wimbledon
  33. Quando ele deu esse show no match point
  34. Quando ele se escondeu de um tufão numa mesa
  35. Quando ele vence um ponto longo completamente sozinho.
  36. Quando ele se vestiu de Victoria Azarenka
  37. Quando ele botou uma bela peruca na festa dos jogadores de Monte Carlo
  38. Quando ele se meteu na chave de simples do ATP 500 de Viena
  39. Quando ele questionou a minha falta de questionamento 😂
  40. Quando ele apareceu de bigode

Soares e Murray estreiam com vitória no Australian Open; Matos/Meligeni caem

O primeiro dia da chave de duplas masculinas contou com dois times com brasileiros em ação. Primeiros em quadra, o mineiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray superaram os australianos James Duckworth e Marc Polmans por 6/3 e 6/2, avançando para a segunda rodada.

“Foi uma bela estreia, muito feliz com a forma como a gente jogou. A gente treinou super bem por aqui e os adversários de hoje era bem difíceis, além das condições estarem também difíceis, com muito vento. Perdemos um jogo super duro em Sydney, mas jogando bem, então sabíamos que estávamos no caminho certo”, disse Bruno, contente com a estreia.

Durante a pré-temporada, o mineiro contraiu a influenza, o que acabou afetando a preparação para a Austrália. “A minha preparação para cá foi muito complicada depois de ter lidado com a influenza por três semanas, acabou comprometendo total a preparação, mas felizmente já estou 100% saudável. Por isso, infelizmente não vou jogar mistas. O meu corpo ainda está um pouco baqueado e achei que ia ser muito pesado jogar dois eventos, então resolvi focar só na dupla até eu recuperar a energia e imunidade”, finalizou.

Na próxima rodada da chave de duplas masculinas, Bruno e Murray, que são os cabeças de chave 8 do torneio e foram campeões do Grand Slam australiano em 2016, enfrentarão o britânico Lloyd Glasspool e o finlandês Harri Heliovaara.

Matos e Meligeni se despedem

Quem também entrou em quadra foi a dupla de Rafael Matos e Felipe Meligeni. Os brasileiros foram superados na primeira rodada pelos italianos Simone Bolelli e Fabio Fognini, os campeões do Australian Open 2015, num duplo 6/4. Matos e Meligeni agora seguem para o ATP 250 de Cordoba, na Argentina, onde já estão garantidos na chave.

Duplas de Melo e Monteiro estreiam nesta madrugada

Marcelo Melo e Ivan Dodig voltarão a disputar o Australian Open juntos após seis anos. O mineiro e o croata, cabeças de chave 9 do torneio, começarão a sua campanha no primeiro Grand Slam do ano contra o francês Adrian Mannarino e o monegasco Hugo Nys. Caso vençam, Melo e Dodig enfrentarão Bolelli/Fognini na segunda rodada.

Já Thiago Monteiro entrou na chave de duplas de última hora. Fora de simples, o cearense se inscreveu como alternate nas duplas ao lado do alemão Daniel Altmaier e, após desistências, se garantiram na chave. O time enfrentará os italianos Gianluca Mager e Lorenzo Musetti.

Melo e Dodig são vice-campeões em Adelaide

Marcelo Melo e Ivan Dodig foram longe no primeiro torneio de seu calendário. Cabeças de chave 2 do ATP 250 de Adelaide, o mineiro e o croata foram superados pelos indianos Rohan Bopanna e Ramkumar Ramanathan em 7/6(6) e 6/1, sendo os vice-campeões do torneio australiano.

“Não deu para nós hoje aqui, eles jogaram muito bem. Tivemos algumas oportunidades no primeiro set, que acabamos não aproveitando, entre as quais um mini-break na frente no tie-break. Poderia ter sido diferente o jogo, mas às vezes vem para o nosso lado e às vezes não vem. Depois, no segundo, eles acabaram quebrando em um game atípico, que estava 40/0. Eles devolveram e também sacaram muito bem, o que dificultou termos mais chances. Realmente eles foram melhores hoje e agora tiramos um dia de descanso para já começar na semana que vem aqui de novo o outro ATP. É aprender um pouco com a lição de tentar aproveitar essas chances, especialmente em uma final”, disse o mineiro.

A dupla permanecerá em Adelaide para disputar o segundo torneio 250 na cidade. Na estreia, eles esperam os vencedores de Huey/Nielsen x King/Lawson. Após Adelaide, Melo e Dodig seguirão para a disputa do Australian Open, o primeiro Grand Slam do ano.

Bruno Soares encerra temporada e continua com Murray em 2022

Bruno Soares e Jamie Murray encerraram a sua temporada de 2021. Disputando o ATP Finals em Turim, na Itália, a dupla encerrou a fase de grupos do torneio sendo superada pelos franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut em 6/3 7/6(5) em 1h22 de partida.

“Obviamente, a gente não conseguiu render tudo o que poderíamos ter rendido aqui, ainda mais pelas ótimas duas últimas semanas que tivemos no circuito, mas estou extremamente honrado de estar aqui no Finals mais uma vez”, disse o mineiro, que fez a sua sétima participação no torneio que reúne as oito melhores duplas da temporada.

Em 2021, Soares e Murray voltaram a unir forças e conquistaram os títulos nos ATPs 250 de Melbourne e São Petersburgo, além de terem sido finalistas no US Open e semifinalistas no Australian Open. “Foi uma temporada maluca e difícil, na verdade. Começando ali com a bolha e a quarentena rígida na Austrália, e depois as lesões durante o ano e a apendicite em Tóquio. E ainda assim a gente ter ganhado dois títulos, feito uma semi e uma final em Grand Slam e ter classificado para o Finals… acho que podemos considerar 2021 como um baita ano. Um ano de extrema superação. Estou muito feliz com tudo”, continuou.

Já de olho na temporada de 2022, o mineiro confirma que continuará ao lado de Murray: “Eu e o Jamie seguiremos juntos em 2022. E acho que agora é isso, né? Descansar bastante e preparar o corpo da melhor maneira possível, além de contar com um pouco mais de sorte na questão das lesões para o ano que vem. Estou me sentindo super bem, tanto tenisticamente quando fisicamente, e estou super motivado para a próxima temporada”, finalizou o atual número 16 do mundo.

Aos 39 anos, Bruno tem 35 títulos no circuito da ATP, incluindo as conquistas no Australian Open (2016) e no US Open (2016 e 2020). O brasileiro já atingiu o posto de número 2 do mundo e também é dono de três títulos de Grand Slam nas duplas mistas: dois no US Open (2012 e 2014) e um no Australian Open (2016).

Murray/Soares vencem mais uma e se garantem no Finals

Bruno Soares e Jamie Murray continuam embalados. Após a conquista do título do ATP 250 de São Petersburgo, o mineiro e o britânico venceram a segunda no Masters 1000 de Paris. Nesta quinta-feira, a dupla derrotou Roberto Bautista Agut e Alexander Bublik em 6/1 6/3, se garantindo nas quartas de final.

Além do ótimo resultado, a campanha em Paris também garantiu a classificação de Soares e Murray no ATP Finals, que será pela primeira vez em Turim, na Itália. Esta será a sétima participação do mineiro no torneio que reúne os oito melhores times da temporada e a quarta ao lado de Murray. Ao todo, Bruno atingiu as semifinais do último torneio da temporada em quatro oportunidades.

“Classificar pro Finals é sempre especial. Primeiro porque concretiza que fizemos uma boa temporada, e segundo por estar presente nesse torneio tão especial. Vai ser a primeira vez de todo mundo em Turim, e eu só joguei quando era em Londres, então estou super empolgado, com a motivação lá em cima. Queremos terminar bem essa semana aqui em Paris para chegar com tudo lá no Finals”, disse o brasileiro, empolgado com mais uma classificação.

Focados em fazer uma boa campanha em Paris, Bruno e Jamie agora enfrentarão os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah por uma vaga na semifinal.

Bruno Soares e Jamie Murray são campeões em São Petersburgo

Bruno Soares e Jamie Murray conquistaram o título no ATP 250 de São Petersburgo, na Rússia. Na decisão, a dupla venceu o cazaque Andrey Golubev e o monegasco Hugo Nys em 6/3 6/4 e 1h21 de partida.

Foto: ATP de São Petersburgo

“Hoje é dia de comemorar título, sem dúvidas! Nós viemos pra cá em busca de um objetivo, que era fazer mais jogos para pegar ritmo e confiança, e acho que fizemos uma grande semana. Jogamos super bem e conseguimos elevar o nosso nível, muito mais do que apresentamos em San Diego e Indian Wells. Estamos super empolgados, logo mais temos um desafio dos grandes em Paris. Agora é manter esse ritmo e confiança e levar pra lá”, disse o mineiro, contente com o nível apresentado durante a semana.

Em busca de uma vaga no ATP Finals, Bruno e Jamie aparecem atualmente na 8º colocação do ranking do ano, com seis duplas já classificadas para o ATP Finals. Ao todo, Soares já disputou a competição que reúne as oito melhores duplas da temporada em seis oportunidades: 2013, 2014, 2016, 2017, 2019 e 2020. “Com o resultado aqui em São Petersburgo, a gente se coloca numa posição muito boa na corrida pra Turim, com um boa vantagem pro nono colocado. Agora é buscar oficializar a classificação no Masters 1000 de Paris. O meu grande objetivo da temporada é estar no Finals e a gente está cada vez mais perto disso”, finalizou o 13º do ranking.

Este é o 35º título da carreira de Bruno Soares e o 12º ao lado de Jamie Murray. Em 2021, a dupla também conquistou o troféu do ATP 250 de Melbourne, no início do ano. Bruno e Jamie seguem para o Masters 1000 de Paris, na França. Lá, o time enfrentará os russos Karen Khachanov e Andrey Rublev na estreia.

Murray/Soares superam dupla de Demoliner e vão à final de São Petersburgo

Bruno Soares está na final do ATP 250 de São Petersburgo, na Rússia. Ao lado do parceiro Jamie Murray, o mineiro superou o compatriota Marcelo Demoliner e o neozelandês Marcus Daniell por 7/5 6/3, se garantindo na decisão. Esta será a 68ª final da carreira do brasileiro.

“Objetivo alcançado, com certeza. A ideia era fazer bastante jogos para pegar ritmo e confiança. Vamos fazer quatro jogos por aqui e isso é super importante pra gente nessa reta final. Além disso, mais importante ainda é somar pontos e manter a vantagem em busca de uma vaga no Finals, que é o nosso grande objetivo da temporada”, disse o atual número 13 do mundo.

Bruno e Jamie aparecem atualmente na 8º colocação do ranking do ano, com seis duplas já classificadas para o ATP Finals. Faltando duas vagas, a dupla vai em busca da classificação. Ao todo, Soares já disputou a competição que reúne as oito melhores duplas da temporada em seis oportunidades: 2013, 2014, 2016, 2017, 2019 e 2020.

“Esse torneio é muito legal e a cidade é espetacular. Muito feliz de ter conhecido. Claro, está fazendo muito frio, mas é uma das cidades mais bonitas que já visitei, sem dúvidas. Agora é ir com tudo pra essa finalera e buscar o caneco”, finalizou Bruno, que disputa o torneio de São Petersburgo pela primeira vez. Os adversários da final sairão dos vencedores de Golubev/Nys x Bopanna/Shapovalov.

Melo e Dodig param nas quartas de Antuérpia

O brasileiro Marcelo Melo e o croata Ivan Dodig deram adeus na Bélgica. A dupla cabeça de chave 1 parou nas quartas de final do ATP 250 da Antuérpia após serem superados pelo sul-africado Lloyd Harris e o belga Xavier Malisse em 6/4, 3/6 e 10-7.

Este foi o segundo torneio da dupla no retorno da parceria. Agora, Melo e Dodig seguirão para o ATP 500 de Viena, na Áustria, e depois para o Masters 1000 de Paris, na França.