Melo: “Wimbledon é o meu torneio favorito, quero muito conquistar um título”

Na próxima semana, Marcelo Melo vai em busca da vitória em Wimbledon, na Inglaterra. Apesar de já ter um título de Grand Slam, conquistando Roland Garros em 2015, o mineiro não esconde que o torneio britânico é o seu favorito e que vai com tudo para Londres, onde foi vice-campeão em 2013.

Tennis/Herren Gerry-Weber-Open 2017  Gerry-Weber-Stadion/Halle Halle/Westf   21-06-2017
Marcelo Melo e Lukasz Kubot foram campeões em ‘s-Hertogenbosch e Halle. (Foto: Gerry Weber Open)

Focados no objetivo, Melo e seu parceiro, o polonês Lukasz Kubot, disputaram dois torneios de preparação para o Grand Slam, o ATP 250 de ‘s-Hertogenbosch, na Holanda, e o ATP 500 de Halle, na Alemanha, sendo campeões de ambos. Atuais líderes do ranking da temporada, o mineiro e o polonês já estão treinando em Wimbledon e são um dos principais candidatos ao título e os cabeças de chave 4 do torneio.

“Um grande resultado em Wimbledon, para mim, será especial. É o meu torneio favorito e quero muito conquistar um título nesse templo sagrado do tênis. Depois de Roland Garros, no início de junho, eu e o Lukasz fizemos um planejamento para nos adaptarmos à grama. E a minha avaliação é que, juntos, nos acostumamos até rápido demais ao piso”, afirma Melo, otimista com o cenário.

O brasileiro ressaltou a preparação para o Grand Slam, que terminou com um saldo positivo: “Desde que comecei a jogar com o Lukasz, falei que tínhamos de achar o caminho para a dupla, uma base, e conquistamos isso. Nessa preparação na grama, ganhamos vários jogos em seguida, alguns com facilidade, outros exigindo recuperação para a virada. Então, acho que foi um planejamento correto para Wimbledon, principalmente devido à quantidade de jogos na grama. Toda essa sequência ajuda muito em todos os aspectos. Quem sabe, agora, poderemos comemorar o título em Londres, nosso próximo desafio e grande objetivo. Vamos com tudo, aproveitando esse ritmo e essa confiança total.”

Em 2013, Melo foi vice-campeão de Wimbledon jogando ao lado do croata Ivan Dodig – seu parceiro também no título em Roland Garros. Eles perderam a final para os irmãos Bryan. “Relembro os ótimos momentos que tivemos naquele ano, cada jogo que fizemos. Aquela partida decisiva foi especial”, diz. “Também fiz uma semifinal com o André Sá, em 2007, quando estava apenas começando, outro momento marcante”, completa. O torneio londrino tem início no dia 3 de Julho.

Duplas de Melo e Soares conquistam os títulos de Halle e Queen’s

Foi mais um fim de semana vitorioso para Marcelo Melo e Bruno Soares. Após conquistarem os títulos de ‘s-Hertogenbosch e Stuttgart, Melo e Soares sagraram-se campeões dos ATPs 500 de Halle e Queen’s neste domingo, seguindo invictos nesta temporada de grama.

csm_Doppel_2017_06_25_KET__3821_17707ba4b6

Foto: Gerry Weber Open

O domingo começou com Marcelo Melo e Lukasz Kubot, que derrotaram os irmãos Alexander e Mischa Zverev de virada, com parciais de 5/7, 6/3 e 10-8, e levantaram o troféu em Halle, na Alemanha. Foi o 26º título da carreira do mineiro e o sexto ao lado de Kubot.

“Estamos muito felizes com nosso desempenho na grama. São dois títulos seguidos. Conseguimos jogar muito bem em todas as adversidades, estando na frente, estando atrás, buscando jogo, em dois torneios diferentes. É muito difícil você manter o mesmo ritmo em dois torneios. E fizemos isso. Encontramos bem o caminho e agora é seguir firme para o principal objetivo que é Wimbledon. Estamos bem focados, com confiança lá em cima para poder fazer um bom resultado lá”, disse Melo, comemorando as duas conquistas seguidas.

O título aproxima Melo do líder do ranking, tendo 500 pontos de diferença para Henri Kontinen, atual número 1 do mundo. A conquista também isola a dupla na liderança do ranking de duplas, com 810 pontos na frente de Kontinen/Peers, os campeões do Australian Open.

Bruno+Soares+Aegon+Championships+Day+Seven+2uJegd-EH9cx

Foto: Clive Brunskill/Getty Images Europe

Em Londres, disputando o torneio de Queen’s, Bruno Soares e Jamie Murray entraram em quadra para a terminação de sua semifinal contra Marin Cilic e Marcin Matkowski, partida que iniciou no sábado e foi interrompida pela chuva. Logo após a vitória, a dupla voltou para a quadra central e disputou o título com os franceses Julien Benneteau e Edouard Roger-Vasselin, vencendo em pouco mais de uma hora de duração.

Com a vitória em Queen’s, Soares conquistou seu 26º título da carreira e o sexto com Jamie Murray. “Dia maluco na grama, começar o dia sacando no 5/3 e bem no ponto decisivo, ainda mais que depois desse ponto teve o match tie-break, não é mole não. Depois que acabou esse jogo e fomos pra final, parecia que estávamos no paraíso, tudo tranquilo, jogando um jogo normal. Foram duas semanas muito boas pro tênis brasileiro, com certeza vamos com tudo pra Wimbledon”, disse Soares, ressaltando a disputa de dois jogos no dia e os títulos conquistados por ele e Melo. Agora as duplas seguem treinando e partem para Wimbledon, que tem início no dia 3 de Julho.

Fyrstenberg admite ter perdido a vontade de competir: “Tênis virou sinônimo de estresse”

O polonês Mariusz Fyrstenberg finalmente quebrou o silêncio. Após quatro meses sem disputar torneios, o ex-número 6 do mundo revelou para diversos veículos de seu país que está cansado do tênis e que provavelmente não voltará a disputar torneios competitivamente.

2011+US+Open+Day+13+_5QsC7lAux2x

Marcin Matkowski e Mariusz Fyrstenberg ficaram com o vice-campeonato do US Open em 2011. (Foto: Al Bello/Getty Images North America)

Confessando apresentar sinais de burnout, síndrome que gera desgaste físico e mental no atleta, afastando-o do esporte, Fyrstenberg admitiu estar mais feliz fora das quadras. “Não estou oficialmente aposentado, mas sinto que minha vida de atleta profissional já ficou de lado. Me divirto muito mais promovendo o esporte na Polônia e tendo uma vida mais estável. Estou muito feliz no momento, não sei se voltarei a jogar”, afirmou.

Sofrendo com diversas lesões nos últimos três anos, o tenista acha que seu momento já passou. “Tênis virou sinônimo de estresse. As minhas últimas lembranças dentro do esporte profissional são de dor e impossibilidade de treinar e render do jeito que eu queria. Acho que essa decisão, essa vontade de parar, veio tarde, até. Quando você passa tantos anos no tênis e vê seu rendimento cair, o prazer pelo esporte some. Meu motivador sempre foi o sentimento de realização e isso não estava mais acontecendo. 36 anos é muita coisa, meu corpo estava gritando de dor e suplicando pelo fim disso tudo”, declarou, triste com a situação final de sua carreira.

O estresse foi o maior motivo para o incômodo de Fyrstenberg. Longe do esporte profissional por quatro meses, o afastamento já gerou resultados positivos: “Eu gosto da minha situação atual. Durmo melhor, me alimento melhor e não estou mais estressado. A qualidade de vida melhorou muito depois que parei de jogar tênis. Era muito estressante, as pessoas acham que a vida de tenista é fácil e legal, com muito turismo e sempre conhecendo pessoas novas. Pra mim, não era. Era uma rotina muito estressante, do hotel para as quadras e das quadras para o hotel. Você visita pontos turísticos e cidades novas? Sim, mas inconscientemente está pensando nas partidas e nos torneios. Era um estresse constante e presente durante todo o ano. Agora, finalmente sinto que a vida pode ser prazerosa.”

Finalista do US Open em 2011, o polonês chegou a disputar quatro torneios neste ano, sendo o último em Sofia, no início de fevereiro. Questionado se a aposentadoria será oficializada, Fyrstenberg disse que gostaria de fazê-la no challenger de Szczecin, torneio polonês que acontece em setembro. “Szczecin foi onde a minha carreira e a de Marcin Matkowski começou. Queremos jogar juntos lá, só não sei se será uma exibição ou o torneio em si, mas gostaria que fosse lá. Realmente ainda não sei o que farei, mas agora, no presente, vou me concentrar em outras atividades”, revelou, prezando sua parceria com Matkowski, com quem conquistou 15 de seus 18 títulos na ATP.

O tenista, que foi comentarista na televisão polonesa durante Roland Garros, já tem planos para o futuro. “Dentro das quadras é muito estressante, mas fora delas, passando conhecimento sobre o tênis, é prazeroso. A experiência na televisão foi interessante, mas penso em abrir uma academia, talvez virar treinador. Passei muitos anos no tênis e gostaria, de alguma forma, converter tudo em informação”, finalizou, expressando a vontade de contribuir para o crescimento do esporte no país.

Soares e Murray conquistam o título em Stuttgart

O fim de semana foi de conquistas para os brasileiros disputando os primeiros torneios da temporada de grama. Após Marcelo Melo conquistar o título em ‘s-Hertogenbosch, neste domingo foi a vez de Bruno Soares e seu parceiro, o britânico Jamie Murray, saírem campeões de quadra, desta vez em Stuttgart, na Alemanha. A dupla derrotou Oliver Marach e Mate Pavic de virada, com parciais de 6/7, 7/5 e 10-5.

19250707_10154843902594426_3214798465299390764_o

Foto: Divulgação

O primeiro set viu Soares e Murray terem mais chances, perdendo apenas quatro pontos em seus games de saque e tendo três possibilidades de quebra, sendo duas delas também set points. Marach e Pavic, porém, mantiveram-se firmes na partida, levando para o tie-break. Lá, um único mini-break para o austríaco e o croata foi o suficiente para que confirmassem a vitória no set, saindo na frente.

A parcial seguinte contou com o mineiro e o britânico convertendo seu terceiro break point do set em uma quebra no 11º game, confirmando o saque no game seguinte e empatando a partida. Com tudo igual, o título foi decidido no match tie-break, onde Soares e Murray saíram na frente logo no primeiro ponto, conseguindo dois mini breaks e confirmando todos os seus saques, sagrando-se campeões.

Bruno e Murray conquistaram seu quinto título como equipe, sendo o 25º da carreira de Soares. O troféu também marca o quarto título do mineiro na grama, onde já foi campeão nos torneios ingleses de Nottingham, Eastbourne e Queen’s. Com a conquista, o mineiro subirá uma posição no ranking, assumindo a sexta colocação, além da progressão no ranking por equipes, sendo o terceiro melhor time da temporada.

Agora a dupla segue para o ATP 500 de Queen’s, em Londres, onde são cabeças de chave 3. Lá, enfrentarão Gilles Muller e Sam Querrey na estreia, podendo ter os campeões de Roland Garros Ryan Harrison e Michael Venus nas quartas de final.

Melo é campeão na Holanda e conquista o primeiro título na grama

O primeiro título na grama de Marcelo Melo aconteceu em ‘s-Hertogenbosch, na Holanda. Ao lado do polonês Lukasz Kubot, o mineiro venceu a dupla formada por Raven Klaasen e Rajeev Ram em sets diretos, com parciais de 6/3 e 6/4.

DCh9FX-XkAAuRFj

Foto: @RicohOpen

Em uma partida com poucas chances, Melo e Kubot salvaram um break point antes de tomarem a liderança da primeira parcial com uma quebra no oitavo game, confirmando a vitória do set logo em seguida. Na segunda parcial, o mineiro e polonês pressionaram ainda mais e conseguiram a quebra cedo, sendo o suficiente para conseguir a vantagem e levar o título para casa.

“Estamos muito felizes em conquistar este título, no primeiro torneio em grama que jogamos juntos. Foi tudo exatamente como planejamos, com o objetivo de buscar a adaptação nesse tipo de piso pensando em Wimbledon. Enfrentamos várias duplas bem difíceis e mostramos evolução, inclusive nesta final, derrotando o Klaasen e o Ram, para quem havíamos perdido a decisão em Indian Wells”, declarou Melo.

Esta foi a primeira conquista de Melo na grama, que já foi finalista em Wimbledon, em 2013. No total, o mineiro possui 25 títulos, sendo cinco ao lado de Kubot. Com a vitória, Marcelo sobe no ranking e volta a ser o terceiro melhor duplista do mundo. Agora a dupla segue para o ATP 500 de Halle, na Alemanha, antecedendo Wimbledon.

Murray/Soares são superados nas quartas de Roland Garros

O brasileiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray foram superados nesta segunda-feira. A dupla deu adeus ao segundo Grand Slam do ano, Roland Garros, após serem eliminados nas quartas de final pelo mexicano Santiago Gonzalez e o americano Donald Young em 2 sets a 1, com parciais de 3/6, 7/6 e 7/6.

Bruno+Soares+2017+French+Open+Day+Nine+QhZEBvFeF3Jx

Foto: Julian Finney/Getty Images Europe

A partida foi disputada, com os dois times constantemente ameaçando o saque de seus adversários. Apesar de terem 5/1 no primeiro set, a dupla precisou salvar quatro break points durante a parcial e teve uma das quebras devolvidas, fechando em 6/3. No segundo, Bruno e Murray conseguiram uma quebra no sétimo game e chegaram a ter um match point quando sacavam para a partida. O britânico, porém, foi quebrado e seus adversários entraram no jogo, levando o tie-break e empatando a partida.

O terceiro set viu as duas duplas salvaram break points, continuando o ritmo parelho da partida. Mais um tie-break foi necessário para definir o vencedor, onde Gonzalez e Young conseguiram a vantagem em uma devolução do mexicano, com a dupla fechando a partida momentos depois.

“Obviamente é uma derrota difícil de digerir. Doeu bastante, muito pela situação do jogo e pelo nível de tênis que estávamos jogando. Nessas oportunidades a gente sabe que tem chances de brigar pelo título, mas é difícil falar agora, logo depois da derrota. Mas foi uma grande semana, mais uma quartas de Grand Slam, especialmente depois de uma temporada de saibro dura. Agora é pensar para frente e se preparar para Wimbledon”, declarou Bruno após a derrota.

A dupla permanece em Paris para receber o prêmio de melhor dupla da temporada de 2016 em jantar da ITF. Na sequência, Bruno e Murray partem para a temporada de grama, disputando o ATP 250 de Stuttgart, o ATP 500 de Queen’s e Wimbledon.

Soares e Murray jogam bem e avançam às quartas de Roland Garros

O Brasil garantiu mais um time nas quartas de final, que já tem Rogerio Dutra Silva. Neste domingo, foi a vez de Bruno Soares e Jamie Murray vencerem os cabeças de chave 9 Rohan Bopanna e Pablo Cuevas e avançarem para a próxima rodada.

Bruno+Soares+2017+French+Open+Day+Three+l0nDKp8_RnLx

Foto: Julian Finney/Getty Images Europe

A partida começou nervosa, com três longos primeiros games e break points disputados. O set seguiu na igualdade, vendo os dois times confirmarem seus saques. No tie-break, os seis primeiros pontos foram trocas de mini-breaks, seguindo o ritmo pegado da partida. O brasileiro e o britânico voltaram a conseguir um mini-break no décimo ponto e fecharam o set momentos depois.

Na segunda parcial, o time de Bruno e Murray voltou mais confiante, já conseguindo uma quebra logo no primeiro game. Perdendo apenas dois pontos em seus games de saque, o time seguiu firme e abriu mais uma quebra no sétimo game, confirmando a vitória logo em seguida.

“O primeiro set foi muito complicado e o jogo foi muito tenso. No início, todo mundo ainda estava pegando o ritmo da coisa e salvando break points. Acho que o tie-break mandou muito no jogo, fizemos um belo tie-break e no segundo set já saímos quebrando e isso ajudou muito”, disso Soares após a vitória.

Nas quartas, Soares e Murray enfrentarão a dupla formada pelo mexicano Santiago Gonzalez e o americano Donald Young, responsáveis pelas eliminações dos cabeças de chave 14 Martin/Nestor, do brasileiro André Sá com Jonathan Erlich, e dos australianos Kyrgios/Thompson.

Murray/Soares vencem e vão às oitavas; Kubot/Melo são eliminados

Bruno Soares e Jamie Murray estão garantidos nas oitavas de final de Roland Garros. O time derrotou a dupla formada pelos russos Mikhail Elgin e Karen Khachanov em 6/1 e 7/6, com 1h21 de duração.

Bruno+Soares+2017+French+Open+Day+Six+JSMlPq1PF0sx

Foto: Adam Pretty/Getty Images Europe

O primeiro set foi tranquilo para Bruno e Murray, que abriram 5/0 e fecharam o set momentos depois, perdendo apenas seis pontos no saque. A segunda parcial, porém, contou com uma dose de drama. Após uma troca de quebras, Bruno e Murray conseguiram outra e ficaram na vantagem, tendo 5/3. Nos games seguintes, Elgin e Khachanov salvaram cinco match points e devolveram a quebra, empatando a partida novamente. Os russos chegaram a ter um set point, que não foi convertido e a decisão foi para o tie-break. Lá, a dominância de Soares e Murray voltou a aparecer, abrindo 4-0 e confirmando a vitória em 7-2.

“Foi mais um grande jogo. Começamos muito bem, poderíamos ter fechado mais tranquilamente o segundo set, mas o importante é que conseguimos terminar bem. Mantivemos a calma e jogamos um belo tie-break. Agora vamos passo a passo, são jogos mais longos e tensos, mas Grand Slam é assim”, disse Bruno, feliz por avançar na chave. A dupla está nas oitavas de final, onde enfrentarão os cabeças de chave 9 Rohan Bopanna e Pablo Cuevas.

Quem também avançou para as oitavas de final foi Rogério Dutra Silva, que ao lado do italiano Paolo Lorenzi superou os franceses Quentin Halys e Adrian Mannarino em 7/5, 2/6 e 7/5. A dupla contou com a desistência dos espanhois Guillermo Garcia-Lopez e Pablo Carreno Busta na estreia e aproveitou as chances na segunda rodada, eliminando a dupla da casa. Nas oitavas, o brasileiro e o italiano enfrentarão os tchecos Roman Jebavy e Jiri Vesely, que conquistaram o título em Istambul na preparação para Roland Garros.

Já Marcelo Melo e Lukasz Kubot disseram adeus ao torneio francês. O brasileiro e o polonês foram superados pelo americano Ryan Harrison e o neozelandês Michael Venus em dois sets a um, com parciais de 6/4, 6/7 e 6/3. A dupla do mineiro não teve nenhuma chance no primeiro set, sendo quebrados logo no primeiro game e vendo seus adversários confirmarem o saque. Na segunda parcial, Melo e Kubot salvaram um break point e levaram a decisão para o tie-break, onde também saíram atrás. O brasileiro e o polonês, porém, devolveram o mini-break e conseguiram mais um logo no fim da disputa, empatando as parciais. O terceiro set foi parecido com o primeiro, com Harrison e Venus tendo as únicas oportunidades de quebra de toda a parcial, convertendo uma e confirmando seus saques até selarem a vitória.

“Eles sacaram muito bem, não nos dando muita chance de devolver, e isso acabou deixando nossos adversários mais tranquilos nos games de devolução. Formam uma dupla perigosa, jogam muito rápido e estavam acertando tudo. Nós não tivemos muito o que fazer para tentar mudar o resultado”, afirmou Melo, que agora parte para a gira de grama. A dupla disputará Stuttgart e Halle como preparação para Wimbledon.

Melo vence e completa 400 vitórias na carreira

Marcelo Melo e Lukasz Kubot estrearam com vitória em Roland Garros. A dupla derrotou os franceses Julien Benneteau e Jeremy Chardy de virada, com parciais de 3/6, 6/2 e 6/3. Na segunda rodada, enfrentarão a dupla formada pelo americano Ryan Harrison e o neozelandês Michael Venus. A partida também marcou a vitória de número 400 da carreira de Melo, sendo o primeiro duplista brasileiro a atingir a marca.

O mineiro e o polonês conseguiram a virada após perderem o primeiro set, tendo sofrido duas quebras e visto seus adversários salvarem quatro break points. Mais confiantes, o segundo set viu Melo e Kubot confirmando todos seus saques sem serem ameaçados e quebrando duas vezes. Com tudo igual, o terceiro set foi disputado, com chances para os dois lados. Após salvarem um break point, o brasileiro e o polonês conseguiram a vantagem no terceiro game, impondo seu jogo e quebrando mais uma vez no último game, confirmando a vitória no segundo match point.

Com as 400 vitórias no bolso, Melo disse estar contente com a conquista, principalmente por ter acontecido em Roland Garros, torneio em que conquistou o título em 2015: “Eu estou muito feliz por ter chegado nessa marca aqui, em um torneio tão especial para mim e para todos os brasileiros. Quando comecei, nunca poderia imaginar que estaria comemorando 400 vitórias em duplas, uma meta que poucos alcançaram. Aí vêm as lembranças, de alguns detalhes, dos jogos mais importantes, das vitórias guardadas na memória.”

Entre tantas conquistas, o mineiro destacou dois momentos especiais em sua carreira: “Uma é a vitória que me levou ao número um do mundo, em Viena, na Áustria, o primeiro brasileiro a liderar o ranking individual de duplas. A segunda é a da final de Roland Garros, um resultado histórico, com a inédita conquista em duplas por um tenista do Brasil.” Melo é dono de 24 títulos, com um Grand Slam e sete Masters 1000 sendo os destaques.

Confira alguns números das 400 vitórias de Melo nos infográficos abaixo.

block_2

block_3

titulos


Demoliner e Daniell caem na estreia

O gaúcho Marcelo Demoliner e seu parceiro, o neozelandês Marcus Daniell, não conseguiram superar a difícil estreia contra Ivan Dodig e Marcel Granollers, caindo com um duplo 6/4. O brasileiro e o neozelandês tiveram a chance de sair na frente no quarto game, onde seus adversários salvaram dois break points antes de confirmar o saque. Essa foi a única chance de Demoliner e Daniell na partida, que sofreram uma quebra em cada set.

Rogério Dutra Silva é o único que ainda não estreou na chave de duplas. Ao lado do italiano Paolo Lorenzi, o paulista enfrentará os espanhois Pablo Carreno Busta e Guillermo Garcia-Lopez, cabeças de chave 10 e finalistas na última edição do US Open, nesta quinta-feira. O mineiro André Sá e o israelense Jonathan Erlich também entrarão em quadra, onde disputarão com Santiago Gonzalez e Donald Young uma vaga nas oitavas de final.